Publicado em por em Justiça, Pará

O estado ficou em 4º lugar no ranking de resgates em 2021

Trabalho escravo cresce no país, e Pará cai no ranking de resgate do MPT
O MPT recebeu 1.415 denúncias de trabalho escravo em 2021. Foto: Reprodução

A disseminação do trabalho remoto, as medidas de proteção individual contra a covid-19 e o desemprego fizeram com que os órgãos de fiscalização ficassem cada vez mais atentos a possíveis violações de direitos decorrentes do novo contexto. No Brasil, 1.937 pessoas foram resgatadas de condições análogas às de escravo em 2021, é o maior número desde 2013.

— CONFIRA: Cientistas dizem que garimpo é culpado por água barrenta em Alter do Chão.

O Pará ficou em 4º lugar no ranking de resgates, com 110 resgatados, uma posição atrás de 2020, quando o estado amargou o 3º lugar, ainda que com um número menor de resgates, 76.

O Ministério Público do Trabalho (MPT) participou do resgate de 1.671 trabalhadoras e trabalhadores da escravidão contemporânea em 2021, em mais de 100 forças-tarefas. Essas operações foram realizadas em conjunto com outros órgãos públicos, como Auditoria Fiscal do Trabalho, vinculada ao Ministério do Trabalho e Previdência, Ministério Público Federal, Defensoria Pública da União, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal.

Além disso, no ano passado, o MPT recebeu 1.415 denúncias de trabalho escravo, aliciamento e tráfico de trabalhadores, número 70% maior que em 2020. Nos últimos 5 anos, a instituição recebeu 5.538 denúncias relacionadas a trabalho escravo e, nesse mesmo período, foram firmados 1.164 termos de ajuste de conduta (TACs), ajuizadas 459 ações civis públicas e instaurados 2.810 inquéritos civis sobre o tema.

Grupo móvel no Pará e Amapá

Em setembro de 2020, foi recriado o grupo móvel de fiscalização para o enfrentamento do trabalho análogo ao de escravo em âmbito regional no Ministério Público do Trabalho PA-AP, observando as ações necessárias para prevenção de contágio pelo então novo coronavírus. A recriação do grupo veio auxiliar a Divisão para Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae), do Ministério do Trabalho e Previdência, no atendimento da alta demanda existente no Pará.

Foram mais de 100 forças-tarefas realizadas pelo MPT em 2021 em todo Brasil. O grupo regional contribuiu significativamente para esse número, ao realizar, só entre entre 2020 e 2021, operações em diversos municípios como Redenção, Rio Maria, Parauapebas, São Domingos do Araguaia, Bom Jesus do Tocantins, Novo Repartimento, Pacajá, Palestina do Pará, Marabá, Goianésia do Pará, Itupiranga, São Geraldo do Araguaia, Nova Ipixuna, Curionópolis, São Félix do Xingu e Capanema. 

Inquéritos e judicializações  

Nacionalmente, o MPT instaurou 687 inquéritos civis com o tema Trabalho Escravo em 2019, 351 em 2020 e 598 em 2021. Em relação às judicializações, foram abertos 103 procedimentos de acompanhamento judicial (PAJs) em 2019, 95 em 2020 e 155 em 2021. 

Já no MPT PA-AP, foram instaurados 51 inquéritos em 2019, 22 em 2020 e 44 em 2021, o dobro do ano anterior. Quanto às judicializações, os números se mantiveram mais constantes no período anterior e posterior ao início da pandemia. Foram abertos 10 procedimentos de acompanhamento judicial em 2019, 8 em 2020 e 10 em 2021. 

Trabalho escravo urbano

Em dezembro de 2021, 12 trabalhadores foram resgatados de condições degradantes em Belém (PA), durante fiscalização do MPT e da Auditoria Fiscal do Trabalho. Eles estavam alojados em local sem camas, mesa ou cadeiras para a tomada de refeições e dormindo em colchões no chão. Dois trabalhadores encontravam-se em estado febril.

Sem carteira de trabalho anotada, eles informaram terem sido trazidos de ônibus pela empresa contratante de Salvador (BA) para capital paraense, a fim de trabalhar em obra de construção civil, onde eram submetidos a jornadas exaustivas, por vezes, com mais de 6 horas extras.

Uma das modalidades de trabalho escravo mais identificadas em áreas urbanas, no Brasil, nos últimos anos, foi o trabalho escravo doméstico, que afeta principalmente mulheres negras.

Segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) de 2019, mais de 6 milhões de brasileiros e brasileiras dedicam-se a serviços domésticos. Desse total, 92% são mulheres – em sua maioria negras, de baixa escolaridade e oriundas de famílias de baixa renda.

Com informações do MPT


Publicado por:

Uma comentário para

  • A tal de reforma trabalhista que ia gerar “milhares” de empregos só conseguiu gerar mais camelôs, motoristas de UBER e novos escravos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.