Publicado em por em Lista, Negócios

A empresa teve o Certificado de Operador Aéreo suspenso pela Anac

4 sinais de que a empresa aérea ITA não voaria longe
A ITA protagonizou uma das maiores debacles da aviação no Brasil. Foto: Reprodução

Os planos eram ambiciosos. O lançamento da ITA Transportes Aéreos, em junho, marcaria o início da criação daquele que, segundo o seu controlador, Sidnei Piva de Jesus, viria a ser o maior grupo de transporte do país, integrando modais aéreo e rodoviário, explorando concessões de aeroportos e até de metrô.

A pandemia, que provocou a maior crise da história da aviação comercial, seria uma oportunidade, e a empresa dizia que completaria o primeiro ano de operações com 50 aviões.

— LEIA: Bandidos invadem o maior shopping de Santarém, e assaltam loja de joias e acessórios.

Menos de seis meses depois da primeira decolagem, a ITA protagoniza uma das maiores debacles da aviação no Brasil ao suspender todos os seus voos de uma hora para a outra, faltando uma semana para o Natal.

Afetou mais de 40 mil passageiros que contavam com a companhia para visitar parentes no fim do ano. Cerca de mais 150 mil não sabem se vão viajar nos próximos meses, apesar de a empresa ter declarado a intenção de voltar a voar em fevereiro.

A ITA teve o Certificado de Operador Aéreo suspenso pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) — e está ameaçada de ter o documento cassado de vez por falta de assistência aos passageiros.

Veja 4 sinais de que a ITA não voaria longe:

1 – Não havia estrutura de capital robusta

O contrato social apresentado à Anac pela Itapemirim Transportes Aéreos (ITA), do mesmo dono da viação que está em recuperação judicial desde 2016 por causa de uma dívida de mais de R$ 200 milhões, indica que ela só tinha R$ 380 mil como capital social, muito abaixo dos padrões do setor.

2 – Polêmicas e salários atrasados

Na primeira seleção de tripulantes, uma taxa de R$ 1 mil cobrada de candidatos por um site intermediário gerou controvérsia. A manobra foi abandonada após denúncia do sindicato de aeronautas. Com a crise financeira, a empresa atrasou a folha de pagamentos e depósitos no FGTS.

3 – Falta de aviões e cancelamentos

A ITA começou a operar em junho com a promessa de alcançar 50 aviões no primeiro ano, mas só teve 5. Vendeu passagens para uma frota maior e o resultado foi uma série de cancelamentos de voos para reestruturar a malha, que começaram ainda antes do dia 17, quando a aérea parou de vez.

4 – Manobras financeiras frustradas

Sem conseguir viabilizar aportes de investidores árabes, a Itapemirim passou a usar recursos que deveriam abater dívidas para financiar o braço aéreo. O caixa secou e a empresa não conseguiu mais pagar fornecedores como a Orbital , contratada para fazer o atendimento aos passageiros.

Com informações de O Globo


Publicado por:

Uma comentário para

  • Quando vc é isento, vc é um dos melhores jornalistas que eu acompanho…De longe, só posso desejar mais sucesso…felicidades my friend.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *