Brasil chega a 234 casos confirmados de coronavírus; nenhum até agora no Pará

Subiu para 234 o número de casos confirmados de covid-19, doença respiratória causada pelo novo coronavírus, no Brasil. Foram 34 novos diagnósticos somente nesta 2ª feira (16). O país tem 2.064 suspeitas e outras 1.624 já foram descartadas. Os dados são do Ministério da Saúde, atualizados na tarde desta 2ª feira.

Nenhum caso, segundo a Sespa (Secretaria de Estado de Saúde do Pará), foi registrado no Pará até agora. O teste para covid-19 de uma técnica em enfermagem em Santarém deu negativo.

 

A região Sudeste tem 189 infectados, a maior quantidade do país. Desses, a maioria está em São Paulo (152) e no Rio de Janeiro (31). Ambos os Estados já têm registro de transmissão comunitária, isto é, quando não se sabe a partir de quem uma pessoa foi infectada.

Mais cedo, as autoridades de saúde haviam informado que Brasília havia registrado também 5 casos de transmissão comunitária. A informação, no entanto, foi corrigida pouco tempo depois e atribuída a uma confusão na hora de colher as informações dos novos pacientes.

A infecção viral já chegou a 15 Estados, mais o Distrito Federal, sem nenhuma morte registrada até aqui.

A maior parte das confirmações segue sendo de casos importados, isto é, quando o paciente contrai a doença em outro país e retorna ao Brasil, onde é diagnosticado.

Leitos móveis

Os Estados e o governo federal vêm tomando medidas de saúde pública para tentar conter o avanço da covid-19. O secretário de Atenção Especializada à Saúde, Francisco de Assis Figueiredo, anunciou o emprego de R$ 396 milhões para contratação de leitos móveis e R$ 260 milhões para custeio durante 6 meses. Eles estarão disponíveis no prazo de 7 a 10 dias.

Ao todo, o Brasil deve ter 64 hospitais de referência e outros 300 em mitigação para o tratamento da infecção viral. Serão disponibilizados 12.317 leitos clínicos e 1.389 leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo).

O ministério ainda avalia importar testes rápidos para a doença, selecionar mais profissionais de saúde e convidar médicos aposentados como voluntários para o tratamento do novo coronavírus, a depender de como a doença evoluir nos próximos dias. Estudantes de medicina nos anos finais de curso também podem ser uma opção.

Com informações do site Poder360 e da redação do blog

— LEIA também: Governo federal vai exigir que planos de saúde cubram testes para coronavírus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *