Pesquisa sobre exploração madeireira na Flona Tapajós sai na Animal Conservation
Pátio madeireiro em área de manejo na Floresta Nacional do Tapajós. Fotos: Arlison Castro

Ex-aluno do Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais da Amazônia (PPGRNA) da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), Arlison Bezerra Castro, hoje técnico no Laboratório de Ecologia e Conservação do Instituto de Biodiversidade e Florestas (Ibef), é o autor principal de artigo publicado no último dia 5 de setembro no conceituado periódico científico Animal Conservation, sobre uma pesquisa dos efeitos da exploração madeireira de impacto reduzido na biodiversidade da Floresta Nacional do Tapajós, na região oeste do Pará.

— LEIA AINDA: Vigilância Sanitária de Óbidos emite alerta sobre consumo de peixe: urina preta.

O artigo Influência da exploração madeireira de impacto reduzido em morcegos da Amazônia Central usando um desenho amostral de controle-impacto antes e depois apresenta os resultados de estudo realizado entre 2014 e 2015, na Flona Tapajós, que utilizou morcegos como organismos-modelos para avaliar o impacto da exploração madeireira.

“Estudos normalmente comparam a biodiversidade de áreas manejadas e não manejadas após a ocorrência do impacto. Aqui, em parceria com a Cooperativa Mista da Flona do Tapajós (Cooflona), tivemos a oportunidade de fazer o trabalho em duas áreas, uma que seria explorada (impacto) e outra que permaneceria inexplorada (controle)”, explica o professor da Ufopa Rodrigo Fadini, orientador do estudo, que também contou com a colaboração dos pesquisadores Paulo Estefano Bobrowiec, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), Sônia Castro e Luís Reginaldo Rodrigues, ambos do Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais da Amazônia (PPGRNA) da Ufopa.

A pesquisa teve por objetivo avaliar a resposta da fauna de morcegos às modificações causadas na floresta pelas atividades de exploração madeireira e foi realizada através da coleta de dados em campo.

“No estudo usamos os resultados para tirar conclusões sobre a capacidade da exploração madeireira de impacto reduzido em cumprir os objetivos de conservação, ao mesmo tempo que permite impactos mínimos na biodiversidade”, explica Arlison Castro no resumo do artigo.

— CONFIRA: Novos neurônios do cérebro contribuem para a saúde mental. Por Walace Gomes Leal.

Durante 64 noites, foram capturados 706 morcegos, de 36 espécies e 24 gêneros.

“Os morcegos foram escolhidos porque são de fácil amostragem, possuem taxonomia bem resolvida e respondem rapidamente a diversos impactos ambientais. Além disso, são importantes na realização de diversos serviços ecológicos, como dispersão de sementes, polinização e controle de insetos”, afirma Rodrigo Fadini.

Os resultados mostraram que morcegos animalívoros, que se alimentam de insetos e de pequenos vertebrados, foram afetados pelo manejo de impacto reduzido, principalmente em áreas cuja copa da floresta foi mais atingida pelas atividades madeireiras.

“Testamos a relação entre a abertura do dossel da floresta e a assembleia de morcegos antes e depois da exploração madeireira”, afirma Arlison Castro.

Para Rodrigo Fadini, o estudo de fato revela que algumas guildas de morcegos podem ser afetadas pela exploração madeireira em curto prazo.

“A resposta dos morcegos depende da guilda alimentar à qual eles pertencem. Aqueles que consomem frutos e néctar aumentaram tanto na área manejada quanto na que permaneceu intacta. Já os morcegos que consomem insetos e pequenos vertebrados se reduziram tanto em abundância quanto em riqueza de espécies, afetando sua composição. Esses morcegos também foram afetados pela abertura do dossel após a exploração madeireira”, explica.

Morcego coberto de pólen. Pesquisa na Flona Tapajós. Foto: Arlison Castro

Amostragem e manejo: pesquisa

Para os cientistas, pesquisas futuras devem avaliar “se” e “quando” essas guildas retornarão ao estado pré-exploração.

Diante desse resultado, os pesquisadores concluíram que os empreendimentos de exploração madeireira, mesmo aqueles que promovem menores distúrbios à floresta, que é o caso da exploração realizada na Flona do Tapajós, precisam deixar algumas áreas preservadas dentro da Área de Manejo Florestal para permitir o retorno da fauna mais sensível após a exploração da floresta.

A pesquisa indica ainda que é necessário utilizar a amostragem antes do manejo para avaliar o real efeito da exploração florestal sobre as espécies da fauna; e que o desenho amostral proposto, com o estudo das áreas antes e depois do manejo, deveria ser usado como o método padrão para estudos de impacto do manejo sobre a biodiversidade em longo prazo.

O artigo, publicado no periódico Animal Conservation, pode ser encontrado em https://doi.org/10.1111/acv.12739.

Com informações da Ufopa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *