Tempo de poema

Há tempo para um novo poema
Tempo de sair das lágrimas
Mergulhar na vida que solta escorre.

Tempo de sair de onde quer ficar
Tempo de ir
Rir do que foi
Do que ser
Do que será
Num tempo de consciência.

Sempre há tempo para um novo poema
Talhar a pedra bruta da vida
Moldar a vida
Moldar à vida
Mudar a vida.

Há tempo!
Olhar o tempo que ficou no sempre
Da promessa em tempo que a vida sempre
Engasgado verso que não quis falar,
Num tempo de não ser.

Há tempo para um novo poema
Pela mão amiga dirigir um verso
Pela dor mais próxima uma linha finda,
Não é verso, apenas um caminho, no tempo.

E na lágrima triste, a alegria insiste
A paixão que no tempo há.
Ainda há tempo para um novo poema.
Tempo de ser.
Tempo de estar.
Circular o tempo.
Tempo circular.
Amar.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Neucivaldo MoreiraDe Neucivaldo Moreira, poeta amazônico nascido em Santarém.

Leia também:
Poética, de João de Jesus Paes Loureiro.
Soneto, de Raul de Leoni.
Amostra sem valor, de Antonio Gedeão.
Há uma Gota de Sangue no Cartão Postal, de Cacaso.
Canção para uma valsa lenta, de Mário Quintana.
Virgens Mortas, de Olavo Bilac.

  • 1
    Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *