Há uma Gota de Sangue no Cartão Postal

eu sou manhoso eu sou brasileiro
finjo que vou mas não vou minha janela é
a moldura do luar do sertão
a verde mata nos olhos verdes da mulata

sou brasileiro e manhoso por isso dentro
da noite e de meu quarto fico cismando na beira de um rio
na imensa solidão de latidos e araras
lívido
de medo e de amor

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

De Cacaso, poeta brasileiro nascido em Minas Gerais.

Leia também:
Canção para uma valsa lenta, de Mário Quintana.
Virgens Mortas, de Olavo Bilac.
Soneto do carnaval, de Vinícius de Moraes.
O Verbo, de Fernando Py.
Reflexão Nº 1, de Murilo Mendes.
Emergência, de Fábio Rocha.
Amanhecimento, Elisa Lucinda.
A puta, de Carlos Drummond de Andrade.

  • 2
    Shares

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

2 Comentários em: Poesia. Eu sou brasileiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *