Reflexão nº 1

Ninguém sonha duas vezes o mesmo sonho
Ninguém se banha duas vezes no mesmo rio
Nem ama duas vezes a mesma mulher.

Deus de onde tudo deriva
E a circulação e o movimento infinito.
Ainda não estamos habituados com o mundo
Nascer é muito comprido.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

De Murilo Mendes, poeta brasileiro nascido em Minas Gerais.

Leia também:
Emergência, de Fábio Rocha.
Amanhecimento, Elisa Lucinda.
A puta, de Carlos Drummond de Andrade.
Parada cardíaca, de Paulo Leminsk.
Receita de Ano Novo, de Carlos Drummond de Andrade.
Esperança, de Mário Quintana.
Ancorado, de Antônio José e Carlos Randall.
Soneto, de Junqueira Freire.
Lágrima de Preta, de António Gedeão.

  • 2
    Shares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *