Soneto

Arda de raiva contra mim a intriga,
Morra de dor a inveja insaciável;
Destile seu veneno detestável
A vil calúnia, pérfida inimiga.

Una-se todo, em traiçoeira liga,
Contra mim só, o mundo miserável.
Alimente por mim ódio entranhável
O coração da terra que me abriga.

Sei rir-me da vaidade dos humanos;
Sei desprezar um nome não preciso;
Sei insultar uns cálculos insanos.

Durmo feliz sobre o suave riso
De uns lábios de mulher gentis, ufanos;
E o mais que os homens são, desprezo e piso

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

De Junqueira Freire, poeta brasileiro nascido Salvador (BA).

Leia também:
Lágrima de Preta, de António Gedeão.
Aos olhos dele, de Florbela Espanca.
A ausente, de Vinícius de Moraes.
Recados, de Fabrício Carpinejar.
O número quatro, de João Cabral de Melo Neto.
Não está no gibi, de Silviano Santiago.
Ah, Os relógios!, de Mário Quintana.
Percepções, de Álvaro Pacheco.
Alta tensãoBruna Lombardi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *