Aos olhos dele

Não acredito em nada. As minhas crenças
Voaram como voa a pomba mansa;
Pelo azul do ar. E assim fugiram
As minhas doces crenças de criança.

Fiquei então sem fé; e a toda a gente
Eu digo sempre, embora magoada:
Não acredito em Deus e a Virgem Santa
É uma ilusão apenas e mais nada!

Mas avisto os teus olhos, meu amor,
Duma luz suavíssima de dor…
E grito então ao ver esses dois céus:

Eu creio, sim, eu creio na Virgem Santa
Que criou esse brilho que m’encanta!
Eu creio, sim, creio, eu creio em Deus!

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Florbela EspancaFlorbela Espanca, poeta nascida em Portugal.

Leia também:
A ausente, de Vinícius de Moraes.
Recados, de Fabrício Carpinejar.
O número quatro, de João Cabral de Melo Neto.
Não está no gibi, de Silviano Santiago.
Ah, Os relógios!, de Mário Quintana.
Percepções, de Álvaro Pacheco.
Alta tensão, Bruna Lombardi.

  • 1
    Share

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

3 Comentários em: Poesia. Sem fé

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Maralice disse:

    Na ausência do amor, às vezes a fé costuma falhar. Não deveria ser assim!!!!!!

    1. Jeso Carneiro disse:

      Falha, Maralice, porque o amor é superior, ouso dizer isso, à fé. O amor é o céu… em elevação, em arrebatamento, pois é o mor dos sentimentos. Assim também como é o inferno.

      1. Maralice disse:

        Jeso, que lindo conceito de amor. Nessa trilha, concordo, que a superioridade do amor alimenta a fé.