A ausente

Amiga, infinitamente amiga
Em algum lugar teu coração bate por mim
Em algum lugar teus olhos se fecham à idéia dos meus.
Em algum lugar tuas mãos se crispam, teus seios
Se enchem de leite, tu desfaleces e caminhas
Como que cega ao meu encontro…
Amiga, última doçura
A tranqüilidade suavizou a minha pele
E os meus cabelos. Só meu ventre
Te espera, cheio de raízes e de sombras.
Vem, amiga
Minha nudez é absoluta
Meus olhos são espelhos para o teu desejo
E meu peito é tábua de suplícios
Vem. Meus músculos estão doces para os teus dentes
E áspera é minha barba. Vem mergulhar em mim
Como no mar, vem nadar em mim como no mar
Vem te afogar em mim, amiga minha
Em mim como no mar…

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

vinicusdemoraesDe Vinicius de Moraes, poeta brasileiro que no próximo dia 19 completa 100 anos de nascimento.

Leia também:
Recados, de Fabrício Carpinejar.
O número quatro, de João Cabral de Melo Neto.
Não está no gibi, de Silviano Santiago.
Ah, Os relógios!, de Mário Quintana.
Percepções, de Álvaro Pacheco.
Alta tensão, Bruna Lombardi.
Serviço Consular, Érico Veríssimo.
Por que mentias?, de Álvares de Azevedo.:

  • 1
    Share

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Poesia. Vem, amiga!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *