O número quatro

O número quatro feito coisa
ou a coisa pelo quatro quadrada,
seja espaço, quadrúpede, mesa,
está racional em suas patas;
está plantada, à margem e acima
de tudo o que tentar abalá-la,
imóvel ao vento, terremotos,
no mar maré ou no mar ressaca.
Só o tempo que ama o ímpar instável
pode contra essa coisa ao passá-la:
mas a roda, criatura do tempo,
é uma coisa em quatro, desgastada.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

João Cabral de Melo NetoJoão Cabral de Melo Neto, poeta brasileiro nascido em Pernambuco.

Leia também:
Não está no gibi, de Silviano Santiago.
Ah, Os relógios!, de Mário Quintana.
Percepções, de Álvaro Pacheco.
Alta tensão, Bruna Lombardi.
Serviço Consular, Érico Veríssimo.
Por que mentias?, de Álvares de Azevedo.
Uma arte, de Elizabeth Bishop.
Amaroamar, de Lélia Coelho Frota.

  • 1
    Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *