Recados

Procurei entender os sinais
suspensos entre as colunas
e as fechaduras. Empenhei-me
em esclarecer os recados
apressados de socorro,
o tambor lacerado das paredes.
Decifrei o grafite dos banheiros
públicos, as inscrições puídas
no lenho, os volantes
recebidos no trânsito.
A vida com erros de ortografia
tem mais sentido.
Ninguém ama com bons modos.

– – – – – – – – – –  – – – – – – – – – – – – –

fabricio_carpinejarDe Fabrício Carpinejar, poeta brasileiro nascido no Rio Grande do Sul.

Leia também:
O número quatro, de João Cabral de Melo Neto.
Não está no gibi, de Silviano Santiago.
Ah, Os relógios!, de Mário Quintana.
Percepções, de Álvaro Pacheco.
Alta tensão, Bruna Lombardi.
Serviço Consular, Érico Veríssimo.
Por que mentias?, de Álvares de Azevedo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *