emergência

apressem as paixões!
abram alas!
quebrem relógios!

estão contaminadas por distâncias
minhas paixões
e por lógica

elas – e apenas elas
podem me salvar

a sua tinta linda
cor de alvorada
já desbota

por favor
tenho pressa pressa pressa pressa pressa

peço:
abram os sinais
quebrem as pedras
dancem as árvores
pra que as minhas paixões venham voando
pra dentro do possível

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

fabio rochaDe Fábio Rocha, poeta brasileiro nascido no Rio de Janeiro.

Leia também:
Amanhecimento, Elisa Lucinda.
A puta, de Carlos Drummond de Andrade.
Parada cardíaca, de Paulo Leminsk.
Receita de Ano Novo, de Carlos Drummond de Andrade.
Esperança, de Mário Quintana.
Ancorado, de Antônio José e Carlos Randall.
Soneto, de Junqueira Freire.
Lágrima de Preta, de António Gedeão.

  • 1
    Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *