Ancorado

Você entrou na minha vida devastando tudo
Me amou de um jeito louco e absurdo
E desapareceu de vez nos temporais
E aí eu vi meu equilíbrio desfragmentado
Feito um velho barco, navegando errado
Feito um marinheiro que perdeu seu cais

Ainda tenho força pra me refazer
Ainda tenho amor pra oxigenar
A bússola que tem nome de coração
Aponta pra você onde vou chegar

O vento que me trouxe leva o chororô
De alguém que está ferido
Se afogando em mágoas
E as mágoas são águas passadas
Passado são águas que anda pra trás

Pra mim a viagem termina ancorado em teu cais
Como é que eu posso viver sem você
Se nem uma nuvem vive sem o céu
Como é que posso viver sem você
Se pra viver a abelha precisa de mel

Como é que posso viver sem você
Se estou dilacerado por esta paixão
Meu amor você me afogou
Num mar de solidão.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

De Antônio José e Carlos Randall, compositores brasileiro. Letra-título do novo CD do cantor e compositor santareno Antônio José a ser lançado em fevereiro.

Leia também:
Soneto, de Junqueira Freire.
Lágrima de Preta, de António Gedeão.
Aos olhos dele, de Florbela Espanca.
A ausente, de Vinícius de Moraes.
Recados, de Fabrício Carpinejar.
O número quatro, de João Cabral de Melo Neto.
Não está no gibi, de Silviano Santiago.

  • 1
    Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *