Da jornalista e fotógrafa Lila Bemerguy, sobre a nota Expedição em SP retrata Santarém do século 19:

Por acaso, ontem, lendo sobre a história de Hercule Florence, soube que ele havia se candidatado como desenhista para essa expedição, assim que chegou no Brasil. Florence foi aquele gênio que fez uma grande descoberta, mas não levou a fama.

Antes de Daguerre, que patenteou a invenção da fotografia em 1839, Florence, em Campinas (SP), no ano de 1832, já tinha conseguido fixar uma imagem em suporte. Chamou o processo de Photographie. Quando soube da patente, diz a história, até desmaiou de susto!

Não fosse a esperteza de Daguerre, o Brasil tinha sido o berço de uma das maiores invenções da humanidade.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

5 Comentários em: Florence, o pai da fotografia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • curioso geral disse:

    verdade, boato ou isso é estudo sério. tem cada hoax hoje em dia, que criam, para se transformar anonimos em celebridades, pseudos estudiosos.

  • Ney disse:

    Desculpas Jeso. Tem muita gente boa por aqui. Por descuido, deixei transparecer que ninguém nesse país presta, o que não é verdade. Moro em Brasília, você entende…

  • Jota Ninos disse:

    Lila, não foi só o Florence injutiçado. Na área da comunicação também é sabido que o aparelho de radiofonia foi criado por um brasileiro, o padre gaúcho Landell de Moura. Mas como não foi acreditado pelo governo brasileiro, viu sua invenção ser patenteada pelo italino Guglielmo Marconi, que acabou sendo nomeado o “Pai do Rádio”.

    Na aviação, só os brasileiros e os franceses consideram Santos Dumont o “pai da aviação”. Os norte-americanos impuseram o nome dos irmãos Wright como criadores do primeiro protótipo de avião, mas sequer conseguiram o feito de Dumont, anos antes, de dar a volta com o 14-bis na torre Eiffel.

    Sobra aos brasileiros inventar e patentear danças e músicas ridículas como a do último carnaval, o tal de (argh!) “Rebolation” (“Reboleichon”, pra aportuguesar…), com farta divulgação da mídia…

  • Ney disse:

    Louis-Jacques-Mandé Daguerre. Por alguns momentos achei que esse cabra, digo, esse mala, fosse brasileiro. Não pela genialidade, que foi do Florence, e sim pela esperteza.

    1. Jeso Carneiro disse:

      Pô, Ney, vc. pegou pesado os brazucas no geral. rs..rs..rs