PF avança sobre auxiliares de Bolsonaro no inquérito dos atos antidemocráticos

A Polícia Federal avança sobre mais um nome de auxiliares do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na investigação dos atos antidemocráticos.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, trata-se de Max Guilherme Machado de Moura, ex-policial do Bope do Rio de Janeiro, atualmente assessor especial no gabinete pessoal do presidente.

 

A PF apura a ligação do PM com perfis nas redes socais que estimularam as manifestações contra o Supremo Tribunal Federal e o Congresso.

É o quinto nome na assessoria do presidente a figurar no inquérito e a motivar perguntas da PF nos interrogatórios.

Os demais foram os assessores especiais (1) Tércio Tomaz Arnaud, (2) José Matheus Sales Gomes e (3) Mateus Matos Diniz, apontados como integrantes do chamado “gabinete do ódio”, além do tenente-coronel (4) Mauro Cid, ajudante de ordens de Bolsonaro.

Iniciado a partir de um pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República) e por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do STF, o inquérito busca elucidar a ligação de apoiadores do presidente com as manifestações que pediam fechamento da corte e do Congresso.

 

A PF apura crimes previstos na Lei de Segurança Nacional, de 1983, entre eles “fazer, em público, propaganda de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social” ou “incitar à subversão da ordem política ou social ou à animosidade entre as Forças Armadas ou entre estas e as classes sociais ou as instituições”. As penas podem chegar a 4 anos de prisão.

Leia a matéria na íntegra neste link (assinantes).

LEIA também: Justiça condena prefeito a pagar multa de R$ 30 mil por propaganda ilegal no Facebook

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: PF avança sobre auxiliares de Bolsonaro no inquérito dos atos antidemocráticos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Lauro disse:

    Só por curiosidade, o que faz mesmo um “ajudante de ordens”? Imagino que o chefe miliciano da as ordens e o ajudante verifica o cumprimento? Acertei?