Ministério Público Federal denuncia grupo por tráfico de peixes ornamentais, Potamotrygon leopoldi

O Ministério Público Federal denunciou um grupo criminoso de 7 pessoas pelos crimes de pesca ilegal, maus-tratos a animais, contrabando e lavagem de bens.

De acordo com a denúncia, peixes eram capturados no município de Altamira, oeste do Pará, para serem transportados para Belém e Manaus (AM) e, posteriormente, contrabandeados para o exterior.

A investigação foi realizada pela Polícia Civil do Pará.

O MPF fez denúncia à Justiça Federal porque as práticas ilegais em questão eram realizadas em águas da região amazônica protegidas por lei federal, sendo, assim, de domínio da União.

Os animais capturados eram, principalmente, arraias da espécie Potamotrygon Leopoldi e diversas espécies de peixes da família Loricariidae.

A denúncia foi apresentada à Justiça Federal em Altamira no final de agosto. Se condenados, os acusados podem receber pena de no mínimo três meses e no máximo de 14 anos de prisão, além de pagar multa.

ORIGEM ILEGAL

De acordo com a denúncia, foi comprovada a pesca de peixes ornamentais de origem ilegal, tanto por falta de registro do pescador, quanto pela falta de permissão da autoridade ambiental responsável pela área e pelo fato dos peixes capturados serem de espécies de pesca proibida.

A investigação realizada pela operação Poseidon comprovou a existência de crime de maus-tratos aos animais pelo grupo, já que os peixes eram transportados em malas com pouco oxigênio e espaço. Nessas condições, muitos dos animais morreram durante os transportes.

Os peixes capturados pela organização criminosa eram levados a uma empresa dos integrantes, para que fossem emitidas notas fiscais que pudessem acobertar a ilegalidade da pesca.

Na operação de busca e apreensão realizada na empresa foram apreendidos mais de 800 peixes de várias espécies, todos capturados de forma ilegal.

TRÁFICO E CONTRABANDO

O grupo foi denunciado, também, pelo crime de contrabando, porque o tráfico de peixes ornamentais necessita de autorização especial, o que a organização não tinha.

Além disso, a atividade de exportação de peixes ornamentais depende do devido atendimento dos requisitos impostos pela Instrução Normativa Interministerial (INI).

Quando se trata do transporte desses animais, por exemplo, é exigido que todo o trajeto seja acompanhado por Guia de Trânsito de Peixes com Fins Ornamentais e de Aquariofilia (Gtpon). No caso do grupo investigado, não houve cobertura do transporte desses peixes pela guia de transporte.

Outros dois grupos criminosos praticam a mesma atividade de pesca ilegal seguida de contrabando em outros municípios, porém os casos ainda estão sob análise dos procuradores da República que atuam nesses municípios.

QUATRO ETAPAS

O grupo criminoso denunciado pelo MPF dividia o trabalho em quatro etapas: pesca, acomodação, transporte e contrabando dos animais para o exterior.

Primeiramente, os peixes eram capturados por pescadores em Itaituba e Altamira de forma ilegal, ou seja, sem registro e licença da autoridade ambiental. Após isso, os integrantes tentavam legalizar os animais emitindo notas fiscais pela empresa RP Passos Araújo, com sede em Altamira.

Para serem transportados, os animais eram colocados em malas, podendo ter dois destinos: Belém, onde eram vendidos a empresas que posteriormente os comercializavam no exterior, e o segundo destino seguia a rota de Santarém (PA) e Manaus até Tabatinga (AM), oeste amazonense, onde eram contrabandeados pela fronteira com a Colômbia.

O segundo grupo envolvido no tráfico internacional de peixes ornamentais capturava os animais principalmente em Itaituba (PA), Altamira (PA) e São Félix do Xingu (PA).

O esquema do terceiro grupo identificado ocorria em Itaituba (PA), onde os peixes eram capturados e transportados por avião para Manaus (AM).

Com informações do MPF/Pará

Leia também
Comissão da Alepa sobre a Lei Kandir fará sessão especial em Santarém

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Ministério Público Federal denuncia 7 por tráfico de peixes ornamentais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Pedro disse:

    Parabéns a Polícia Civil, através de seus investugadores, pela excelente investigação de combate ao tráfico de peixes ornamentais. O meio ambiente agradece o esforço desses servidores públicos.