Quem são os 6 réus da ação do MPF de superfaturamento do materno-infantil
Hospital materno-infantil em obras: parte interior do prédio. Foto: Reprodução

Uma empresa, a CCM, de Minas Gerais, e 5 pessoas viraram réus em ação de improbidade administrativa na Justiça Federal em Santarém (PA), por suposto superfaturamento nas obras do hospital-materno infantil, ainda não concluído.

O caso foi noticiado em primeira mão nesta tarde de terça (25) pelo BJ (Blog do Jeso).

A denúncia foi ajuizada em 2019 pelo MPF (Ministério Público Federal). O magistrado a acatou no último dia 17.

— LEIA AINDA sobre esse caso: Materno-infantil: “Não pratiquei nenhum ato de improbidade”, diz Alexandre Von

 

Confira os 6 réus da ação:

① Alexandre Von. Prefeito de Santarém no período de 2013 a 2016. É filiado ao PSDB. Foi na sua gestão que a maioria dos recursos foram repassados pela União ao município.

② Antônio Nicolau Paternostro. Fazia parte da comissão formada para fiscalizar a obra pública, com poderes para emitir parecer técnico, boletim de medição e termo de recebimento parcial da obra. Trabalhou até o final de 2016 como assessor técnico de engenharia no extinto NGO (Núcleo de Gerenciamento de Obras Especiais).

③ Claudionor Santos Rocha. Também fazia parte da comissão formada para fiscalizar a obra pública, com poderes para emitir parecer técnico, boletim de medição e termo de recebimento parcial da obra. Administrador, tinha a responsabilidade de fiscalizar os contratos, documentação e prestação de contas. Até o final do governo Von, trabalho como chefe de divisão na Seminfra (Secretaria Municipal de Infraestrutura).

④ Edilson Pimentel de Sousa. Engenheiro, era o titular da Seminfra no governo Vo. Tinha a responsabilidade final pela fiscalização da obra, bem como, segundo o MPF, “a higidez das informações que certificou no bojo das avaliações”.

⑤ Construtora Centro de Minas (CCM) Ltda. A responsável pela maior parte da obra. Foi, de acordo com o MPF, diretamente beneficiada com o superfaturamento, pois o recurso “a maior” foi pago a ela. Também teria se favorecido com os pagamentos em duplicidade e com o pagamento de itens que não foram efetivamente prestados.

⑥ Luiz Otávio Fontes Junqueira. O representante da CCM, “tendo contribuído para o superfaturamento dos valores e se beneficiado com tal prática, uma vez que sua empresa recebeu mais por itens que nem mesmo foram executados e o superfaturamento foi superior a R$ 1 milhão”, conforme a denúncia do MPF.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

11 Comentários em: Quem são os 6 réus da ação do MPF de superfaturamento do materno-infantil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Marenildes disse:

    Tomara que seja logo inaugurado esse hospital. Santarém precisa

    1. Jeso Carneiro disse:

      Concordo. Muito, precisa muito.

  • Keila Neveno disse:

    Esse hospital era pra estar inaugurado

  • Isonils amilcar disse:

    Jeso foi no governo do prefeito Alexandre von que caixa econômica financiou projeto da pista de lazer e urbanização da Av Anysio Chaves.
    Acontece que obra se concentrou lá na praça de eventos (praça da biblia) e alguns metros na frente.
    Da prefeitura até Quixadá está cheio de mato, prefeitura está enchendo de mudas de árvores (enchendo linguiça no popular), vai virar matagal. Vai virar florestal. Cadê as pistas, quiosques e iluminação??
    Sem nenhum criterio tecnico, pois já tem parque da Cidade arborizado com pista de caminhada

  • Isonils amilcar disse:

    Jeso foi no governo do prefeito Alexandre von que caixa econômica financiou projeto da pista de lazer e urbanização da Av Anysio Chaves.
    Acontece que obra se concentrou lá na praça de eventos (praça da biblia) e alguns metros na frente.
    Da prefeitura até Quixadá está cheio de mato, prefeitura está enchendo de mudas de árvores (enchendo linguiça no popular), vai virar matagal. Vai virar florestal. Cadê as pistas, quiosques e iluminação??
    Sem nenhum criterio tecnico, pois já tem parque da Cidade arborizado com pista de caminhada

  • Cassiano Nivalson disse:

    Eita. Lamentável isso

  • Cassiano Nivalson disse:

    Eita. Lamentável isso

  • Frerdsson disse:

    Jeso e esse projeto da pista do aeroporto velho na Anysio chaves?? Vc sabe qdo custou? A caixa econômica financiou. É só mato, plantaram uma infinidade de árvores e mudas. Vai ser um florestal e obra sem pé nem cabeça, sem pista de caminhada da av Sérgio Henrique até quixadá. Só matagal

  • Antônio Silva disse:

    Jeso, não seriam os sócios administradores da construtora os réus?

    1. Jeso Carneiro disse:

      Neste caso, o MPF só listou um sócio, o Luiz Otávio Junqueira.

  • Pedro disse:

    Por isso que a obra não foi concluída, segundo o MPF. O governo federal em dois meses conclui