No blog do jornalista José Maria Piteira:

O Governo do Pará pretende alterar os limites da Estação Ecológica Grão Pará, na Calha Norte do Rio Amazonas, para atender aos pedidos da Mineradora Rio Tinto, que alega ter descoberto na região uma das maiores reservas de bauxita do mundo.

A empresa vinha pesquisando a área a mais de três anos, quando, no final de 2006, o então governador Simão Jatene (PSDB) criou uma mega estação ecológica, abrangendo a área de pesquisa e engessando a província mineral.

Desde então, a Rio Tinto vem fazendo gestão junto ao governo para alterar os limites da reserva.

Fontes do governo informaram que já existe uma disposição da própria governadora Ana Júlia em alterar os limites da reserva ambiental, mas o assunto vem sendo mantido sob sigilo devido à polemicidade do tema.

Diversas Organizações Não Governamentais (ONGs) que participaram dos estudos que culminaram na criação das unidades de conservação na região são contrárias à revisão dos limites. Por isso o assunto vem sendo tratado confidencialmente tanto pelo governo como pela mineradora, que evita dar qualquer declaração sobre o assunto.

AQUI, mais informações.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

4 Comentários em: Mineradora quer alterar limites de reserva na Calha Norte

  • Não é a toa que este estado ,na minha opnião, pode ser conhecido também como o estado dos buracos.Tudo bem uma empresa que se diz grande investir em pesquisa e até mesmo propor a instalação em uma área, mas chorar para o governo tomar medidas até então sábias para asneiras é muito contestável.
    Deve haver respeito em 1º lugar com o meio ambiente acredito que para queo governador da época tomasse esta iniciativa, muitos ”bate pé” de ongueiros ocorreram, os ongueiros apesar de radicais, sabem o porquê de reivindicarem, com certeza esta reserva era o pouco da massa cefálica verde de nosso pobre rico estado

    • E POR ISSO QUE ESSE ESTADO NAO VAI PRA FRENTE, POR CAUSA DE GENTE CM VC, NOVAS TECNOLOGIAS, INVESTIMENTOS, GERAÇAO DE EMPREGO, E DISSO Q O PVO PRECISA, NAO DE UMA pessoa CM VC DANDO PALPITES ERRADOS, O Q AS ONGS FAZEM E ROUBAR ESPECIES NATIVAS DA NOSSA FAUNA E FLORA E QTO A ISSO O Q VC TEM A DIZER SABICHAO?

  • Jeso,

    o Governo Estadual não poderá reduzir os limites da estação ecológica Grão Pará por vontade própria. Depende da aprovação da maioria dos Deputados Estaduais para atingir tal objetivo. A Constituição Federal exige que qualquer alteração ou supressão de espaço territorial objeto de proteção ambiental somente se faça através de lei. Vale dizer, embora a criação de unidades de conservação ambiental possam ser criadas por Decreto, exige-se lei para sua alteração, especialmente para reduzi-la.

    Um abraço,

    Helenilson

  • Ha duas considerações a ser feitas.

    1) Simão Jatene é o empregado da Vale na esfera politica estadual. Portanto os concorrentes dessa Empresa tiveram que ralar muito para conseguir alguma coisa.

    2) Aníbal Picanço (SEMA) é o cara que no Governo Ana Julia, fica encarregado de “mexer” com os impactos do extrativismo bruto de grande escala (Madeira e Minério principalmente). Com ele, dependendo da “contrapartida”, tudo pode.

    Pode ser que agora, a Rio Tinto que saiu pela porta com Jatene, consiga voltar pela janela com Picanço.

    Miséria e esplendor da conexão entre lobbie empresarial e politica.

    Tiberio Alloggio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *