Número 1 do grupo Franere, que constrói o Rio Tapajós Shopping em Santarém, Marcos Regadas Filho desembarca amanhã (29) à tarde na cidade, para participar do lançamento oficial do empreendimento.

O evento será realizado às 20h desta terça-feira no Centro Recreativo.

Leia também:
Mais franquias na feira.
Feira terá franquias de 30 até 800 mil reais.
Feira de franquias de shopping terá 230 marcas.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

3 Comentários em: Número 1 da Franere chega amanhã

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • marco disse:

    Quero mais é que esse shoping seja referência para o oeste do Pará, o maior sucesso, e gere muitos empregos.

  • MocorongaGa disse:

    se o Shopping tiver atendido o que a lei exige e dos requisitos necessários , so Deus pra destruir !! Agora se for que nem outros mega emprendimentos que um grupo extremamente ganancioso quer porque quer instalar em Stm do Tapajós de qualquer jeito e a qualquer custo , no VUCO-VUCO , burlando a lei, forjando dados, destruindo o meio-ambiente ….. ah esse pode até se intalar mas ANTES DE CONCLUIR vai ter que pagar uma MEEEEGA multa e uma HIPER indenização sim ao MUNICÍPIO DE SANTARÉM DO TAPAJÓS !!
    O Von JA DEU O 1º …. RECADO!!
    TEM EMPRESA QUE BURLA A LEI, FORJA DADOS, QUE DESTRÓI O MEIO -AMBIENTE A SEU BEL INTERESSE , QUE VISA SO O LUCRO …. QUE VAI LEVAR TANTA DA PORRADA NA JUSTIÇA … mas … o VON ja tem até onde construir um novo bairro popular , todo estruturado , com os rios de dinheiro que ele vai receber de indenização que vem pra Santarém do Tapajós!!

  • Seu Ricardo disse:

    Ó meu Deus faça com que os FALSOS ambientalistas e os Movimentos contra a criação do Estado do Tapajós não interfiram nesse empreendimento, pois eles não querem que Santarém cresça, se estagnise e nós voltemos a viver do emprego da prefeitura da aposentadoria de alguns segurados e da venda de cipó, semente de açai, cuia pintada e piracuí. Ministério Publico por favor não dê confiança a esses movimentos que querem agora fazer da area da Buriti uma favela.