Publicado em por em Pará

Os 15 anos foram celebrados neste sábado (4)

Unidades de conservação do norte do Pará completam 15 anos, e mapa é lançado
O mapa das Áreas Protegidas do Norte do Pará pode ser baixado gratuitamente

Em 4 de dezembro de 2006, foram criadas 5 unidades de conservação (UCs) no norte do Pará: as florestas estaduais (Flotas) de Faro, Trombetas e Paru, a Estação Ecológica (Esec) Grão Pará e a Reserva Biológica (Rebio) Maicuru. Para celebrar os 15 anos dessas UCs, o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) e o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-Bio) lançaram neste sábado (4) o mapa das Áreas Protegidas (APs) do Norte do Pará.

— CONFIRA: Tapajazz vira Patrimônio Cultural do Pará com sanção hoje do governador.

O documento traz informações atualizadas sobre dimensão territorial de cada AP, as populações que habitam a região, as atividades econômicas e as funções das áreas protegidas. Ele foi desenvolvido por equipes de pesquisa e da área técnica das três instituições para ser utilizado como ferramenta informativa e educativa.

No norte do Pará, situam-se ainda outras APs: 5 Terras Indígenas, 4 UCs federais, outras duas UCs estaduais e 7 Territórios Quilombolas, que juntos somam mais de 22 milhões de hectares protegidos na Amazônia paraense.

Por isso, a pesquisadora do Imazon Jakeline Pereira destaca que viabilizar um material como o mapa ao público é uma forma de tornar o território mais conhecido, engajando as pessoas em sua defesa pela conservação da floresta amazônica.

Reserva ecológica Maicuru. Foto: Ascom/Ideflor

“O norte do Pará é bem conservado e abriga povos e comunidades tradicionais que são guardiões da floresta. Além disso, a área presta importantes serviços ambientais a todos nós, como a manutenção do clima e o fornecimento de água, madeira e alimentos”, comenta Jakeline, destacando que a região abrange os municípios de Alenquer, Almeirim, Curuá, Faro, Monte Alegre, Óbidos, Oriximiná, Prainha e Terra Santa. 

— LEIA: Governo assina ordem de serviço para construção da hidroviária de Aveiro.

As unidades de conservação geram recursos aos municípios onde estão localizadas por meio da compensação ambiental, verba que auxilia nas políticas públicas relacionadas à proteção da floresta e de seus povos.

Gerados a partir dos processos de licenciamento de alguns empreendimentos, esses recursos têm a destinação definida pela Câmara de Compensação Ambiental, que é presidida pela Semas. A secretaria também realiza a fiscalização dentro das unidades de conservação, em parceria com o Ideflor-Bio.

“A atuação da Semas no fortalecimento da bioeconomia possui impacto significativo no fortalecimento das comunidades tradicionais que vivem e protegem nossas unidades de conservação estaduais, gerando renda a partir da rica sociobiodiversidade dessas áreas. Com destaque para as UCs do norte do Pará e a APA do Arquipélago do Marajó”, pontua Mauro Ó de Almeida, titular da pasta.

Com a missão de proteger os ecossistemas e conservar os recursos naturais do Pará, as unidades de conservação são geridas com base no Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) – Lei 9.985/2000. A presidente do Ideflor-Bio, Karla Bengtson, explica que UCs são espaços terrestres e aquáticos que garantem a proteção da biodiversidade da Amazônia, em especial espécies da flora e da fauna ameaçadas de extinção no Pará. 

O mapa possui duas faces: uma com dados da dimensão de cada área protegida e o território em geral e outra com dados sobre a socioeconomia.

“As 5 UCs que completam 15 anos de criação estão destacadas no mapa, onde é possível visualizar a localização de cada área, limites geográficos, formatos e rios, além dos territórios indígenas e quilombolas. A publicação constitui-se como uma ferramenta para auxiliar em estudos geográficos das áreas protegidas do norte do Pará”, diz.

As 5 unidades que completam 15 anos

Floresta Estadual de Faro – Localizada nos municípios de Faro e Oriximiná, ocupa quase 614 mil hectares de floresta nativa conservada, com sobreposição de terras indígenas e territórios quilombolas. Abriga vasta biodiversidade de fauna e de flora, com ocorrência de espécies endêmicas. Ou seja: que só existem nesta área. No local, também há grande potencial para o desenvolvimento do turismo de natureza e de contemplação da beleza cênica, possibilitando atividades como birdwatching (observação de aves) e pesca esportiva, essa última já consolidada. A UC é um roteiro bastante visitado por pescadores esportivos do Brasil e do mundo. 

Floresta Estadual do Paru – Ocupa uma área de mais de 3,6 milhões de hectares, compreendendo os municípios de Almeirim, Monte Alegre, Alenquer e Óbidos. Com 96% de sua área coberta por florestas bem conservadas, abriga vasta diversidade de fauna e de flora. No local, podemos contemplar a beleza exuberante das árvores gigantes da Amazônia, assim como castanhais que garantem a subsistência das populações tradicionais extrativistas da região.

Floresta Estadual do Trombetas – Abrange os municípios de Oriximiná, Óbidos e Alenquer, ocupando quase 3,2 milhões de hectares de floresta nativa com vasta biodiversidade de fauna e de flora, com ocorrência de espécies endêmicas. Os pesquisadores do Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) já encontraram na região mais de 530 espécies de plantas, 244 de aves, 29 de peixes, 62 de répteis e anfíbios e 53 de mamíferos. A unidade também é cortada por extensos rios, como o Trombetas, o Cachorro, o Erepecuru e o Cuminapanema. A principal atividade econômica praticada na Flota é a coleta da castanha-do-Pará. 

Flota do Trombetas. Foto: Rafael Araújo

Estação Ecológica Grão-Pará – Está no território de 4 municípios: Monte Alegre, Oriximiná, Alenquer e Óbidos, em uma área de mais de 4,2 milhões de hectares. Incorpora porções das bacias hidrográficas dos rios Maicuru, Curuá, Cuminapanema, Erepecuru, Trombetas e Mapuera. É a maior UC de Proteção Integral de florestas tropicais do planeta, com elevado nível de preservação de seus recursos naturais. Com outras unidades de conservação e terras indígenas da região, forma o fluxo de biodiversidade do Corredor Central da Amazônia ao Corredor do Amapá. Tem difícil acesso, realizado apenas por meio de pequenos aviões e helicópteros.

Reserva Biológica Maicuru – Possui mais de 1 milhão de hectares e foi criada com objetivo de preservar os ecossistemas naturais e contribuir para a manutenção dos serviços ambientais e recargas de aquíferos. Isso possibilita a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades controladas de educação ambiental. Lá, foi registrada pela primeira vez no Brasil uma espécie de perereca (Phrynohyas hadroceps) e outra pela primeira vez no Pará (Scinax garbei). Entre as aves, 302 espécies foram registradas, como por exemplo o uiraçu-falso, que integra a lista da IUCN como vulnerável. Já entre os mamíferos, foram registradas 33 espécies, três delas ameaçadas de extinção: a onça pintada, a suçuarana e o tamanduá-bandeira.

Baixe o mapa de áreas protegidas do norte do Pará.

Com informações do Imazon


Publicado por:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *