Réu da Madeira Limpa recorre ao TRF1 para se livrar de tornozeleira, Tribunal Regional Federal 1 - TRF1
Sede do TRF1, em Brasília

A defesa de André Luís da Silva Suleiman recorreu ao TRF1 (Tribunal Regional Federal), 1ª Região, em Brasília, para livrá-lo das medidas cautelares diversas de prisão, entre os quais o uso de tornozeleira eletrônica, impostas pelo juiz Érico Pinheiro, da 2ª Vara Federal em Santarém.

André Suleiman é réu da Madeira Limpa, operação deflagrada na região oeste do Pará em agosto de 2015 pela Polícia Federal, sob a coordenação do MPF (Ministério Público Federal).

Depois de sua prisão, ele conseguiu habeas corpus, ficou livre. Mas não se reapresentou à Justiça quando o HC foi derrubado.

Declarado foragido, entregou-se espontaneamente em novembro de 2016, quando sua prisão preventiva foi substituída por cautelar.

Desde então, a defesa de Suleiman tem requerido a revogação das medidas cautelares.  Sem êxito. O pedido mais recente foi  formulado em setembro deste ano. 

“Indefiro o pedido. O réu não apresenta fatos novos aptos a ensejar o posicionamento do juízo quanto à necessidade da medida. O acusado permaneceu foragido por considerável período quando vigente a ordem de sua prisão preventiva, razão pela qual a medida imposta é essencial para se assegurar a aplicação da lei penal.”, justificou o magistrado.

RELATOR

No TRF1, o recurso (agravo)  caiu nas mãos do desembargador federal Mário César Ribeiro. Que já recebeu informações detalhadas sobre o caso de Érico Pinheiro.

A defesa de André Suleiman aguarda a decisão do desembargador.

Leia também:
Vai acelerar | Processo do “Escândalo da Sespa” passa para mãos de Grupo do CNJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *