Assassinato de Leila Ximendes, a Marielle do oeste do Pará, completa 2 anos, Leila e Marielle
Leila e Marielle, assassinatos sem elucidações

Quem matou? Quem mandou matar?  Hoje, 1º, completa dois anos que a sindicalista Leila Cleopta Ximendes foi assassinada a facadas na cidade de Rurópolis.

Sem que as investigações até agora tenham esclarecido a morte da militante do PT, Leila virou uma espécie de Marielle Franco (PSOL) do oeste do Pará.

A petista foi morta no dia 1º de outubro de 2016, véspera da eleição municipal, no bairro do Leitoso, quando dirigia sua moto a caminho de casa.

Há indícios de conotação política no assassinato. Ela era integrante da coordenação da campanha do hoje prefeito do município, Taká Padilha (MDB).

Leila estava com 29 anos quando foi morta.

Leia também sobre o caso:
* Quem matou Leila? Crime faz 5 meses e PT não descarta assassinato político
* Assassinato de sindicalista completa 1 mês; crime ainda não foi elucidado
* Assassinato a facadas de sindicalista em Rurópolis completa 90 dias sem solução

 

  • 129
    Shares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *