Ex-número 1 do PR deve assumir a presidência do PTN em Santarém

Ex-número 1 do PR, Emir Aguiar [foto] é o mais cotado para assumir a presidência do PTN em Santarém.

O ingresso do vereador no partido deve ser oficializado nas próximas horas.

Leia também – Delegado de polícia é o pré-candidato a prefeito de Santarém pelo Pros.

A entrega do comando a Emir tem o aval do deputado federal Chapadinha, o novo presidente da sigla no Pará.

Emir Machado de Aguiar, 56 anos, foi eleito em 2012 para o 4º mandato de vereador. Obteve 3.385 votos, a quarta maior votação entre os parlamentares eleitos.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

3 Comentários em: Ex-número 1 do PR deve assumir a presidência do PTN em Santarém

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Jota Ninos disse:

    A passagem de Emir Aguiar para a banda do PT em 2008 foi tratada com o então lugar-tenente de Everaldo Martins, Inácio Corrêa, que um dia confidenciou numa roda de amigos que foi oferecido ao Emir Aguiar a presidência do PCdoB que acabara de ser instalado em Santarém, mas o convite teria sido rechaçado porque, segundo Inácio, o pai de Emir, antigo líder da colônia nordestina, Chico Irene, teria dito que não permitiria um filho comunista na família!!!

  • Jota Ninos disse:

    Ao se confirmar a aproximação de Emir Aguiar ao prefeito Alexandre Von via Chapadinha/PTN, será apenas a reedição da parábola do filho pródigo que volta à casa paterna (já dividida).

    Emir Aguiar, sobrinho da ex-vereadora Beth Lima, foi forjado no governo Lira Maia do qual Von era vice, quando na condição de assessor especial passou a comandar os famosos mutirões de bairro do ex-prefeito, junto com o sobrinho de Maia, o também vereador Erasmo Maia.

    Seu nome foi catapultado na preferência popular e após a morte do secretário de Administração de Maia (meu amigo Sérgio Henn) ele acabou assumindo seu lugar. Foi eleito vereador, mas com a derrota de Von para Maria do Carmo, em 2004, não duvidou em trocar de lado, para continuar tendo apoio da máquina estatal, através de sua esposa, Jarle Aguiar, que foi secretária de cultura do governo petista.

    Saiu do então PFL depois de ver seu sonho de ser deputado estadual fracassar, porque dividiu os votos da colônia nordestina com outro Aguiar, o Nélio, ficando os dois na suplência. Este último acabou sendo favorecido pela morte de outro deputado e assumiu a vaga.

    Ao se filiar a um partido aliado do PT, o PR, Emir passou a ser unha e carne com Everaldo Martins e os dois últimos mandatos de vereador só foram possíveis por causa da votação do PT, com o qual seu partido coligou.

    Agora que o PT está vivendo o inferno astral e com a chegada de José Maria Tapajós ao PR, Emir tratou de se aproximar de Chapadinha e foi brindado com um partido pra chamar de seu (coisa que nunca conseguiu nem no PFL e nem no PR).

    Se Von e Maia realmente não estiverem juntos nestas eleições e Von e Emir conseguirem se reeleger, o vereador mostrará o quanto pode ser fiel (como foi ao Maia e à Maria), até que um outro governo surja e ele possa pular do barco novamente…

  • Marcos Lima disse:

    Quero ver como o nobre vereador vai fazer pra subir no palanque e pedir votos pro Alexandre Von. pois pelo o que tudo indica o chapadinha fará um acordo “suicida” com o prefeito; e olha que chapadinha em todo o canto onde encostava a barriga falava mal do Von, o termo mais carinhoso que o deputado usava ao Von era “preguiçoso e cabra safado”. Pois bem, Nos últimos 3 anos Emir tem mantido uma oposição ferrenha e contudente ao Von; tem denunciado todos os tipos de descaso e irresponsabilidade do poder público. AS ACUSAÇÕES DO VEREADOR AO PREFEITO ALEXANDRE VON VAI DE CULPAR PELA VIOLÊNCIA NA CIDADE, PERSEGUIÇÃO AOS COMERCIANTES, INGERÊNCIA E ATÉ DE CALOTEIRO. Esses são os termos que o vereador tratou o Von por todos esses meses. Em vários momentos na tribuna esses tem sido o tom. mas como se diz na política “até boi voa” pelo visto esse ano “até elefante” vai voar.