Almeirim

por Chico Lisboa, de Almeirim

Na sexta-feira (6), aconteceu em Almeirim uma manifestação popular com a participação de cerca de 5 mil pessoas, que foram às ruas para protestar contra o caos em que se encontra a saúde do município.

A saúde em Almeirim chegou ao fundo do poço.

Só para se ter uma idéia, o atual secretário de Saúde, Gilson Mesquita, é o 5º a assumir a pasta na administração do prefeito Zé Botelho (PT) em apenas 1 ano e 7 meses.

A precariedade dos serviços na saúde é generaliza. Há mais de ano as pessoas não conseguem consultas médicas. Com apenas 3 médicos no hospital municipal para atender uma população de mais de 30 mil pessoas. Impossível atender tanta gente, resumindo-se os serviços a atendimentos de emergência.

AlmeirimSem materiais de atendimentos básicos, muitos pacientes são encaminhados a Laranjal do Jarí, no Amapá, pela falta de equipamento simples como dreno torácico. Faltam ainda lençóis para os leitos e roupa para realização de cirurgias. Os funcionários do hospital estão adoecendo por contaminação, pois o local está sujo e com mau cheiro por falta de material de limpeza. Os pacientes com doenças contagiosas são internados junto a outros menos graves por falta de espaço. Três funcionários estão com suspeita de tifo. O hospital do distrito de Monte Dourado também está praticamente fechado.

No início do mês de maio, o atual secretário de saúde foi convocado pela Câmara de Vereadores a prestar esclarecimentos sobre esta situação, mas ele não compareceu à sessão, cometendo crime de responsabilidade, de acordo com a Lei Orgânica do Município.

O pedido de demissão de 2 médicos e a morte prematura de uma adolescente, por falta de recursos no hospital, foi a gota dágua para uma multidão sair às ruas protestando contra o descaso e reivindicando soluções urgentes na área da saúde.

A DEMISSÃO DOS MÉDICOS
Dos 3 médicos que trabalhavam no hospital, dois pediram demissão há uma semana e meia, segundo eles, não por questões salariais, mas pelo município não oferecer condições mínimas para o fornecimento de um atendimento básico à população.

Para piorar, o terceiro e último médico saiu de licença para tratamento de saúde fora do município, sem previsão para retorno.

A MORTE DA ADOLESCENTE
Maria do Socorro tinha 16 anos e deu à luz por volta de uma hora da tarde do dia 3 de agosto no hospital municipal de Almeirim e, segundo a médica Maria Eliane, recém-contratada para substituir os que pediram demissão, Maria do Socorro teve um parto normal, sem maiores complicações. No entanto, estava muito anêmica e precisava tomar sangue, o que era impossível no momento porque não havia o material para tal procedimento.

A direção do hospital, então, ligou para o hospital do distrito de Monte Dourado, localizado há 130 Km da cidade de Almeirim, onde existe um banco de sangue do Hemopa, e solicitou uma bolsa de sangue para a paciente, obtendo como resposta que não poderiam atender a solicitação porque não havia como transportar a bolsa de sangue até Almeirim.

Diante desta impossibilidade, às 5 horas da tarde, a médica resolveu encaminhar a jovem mãe para Monte Dourado, mas só conseguiram viabilizar o transporte e sair com Maria do Socorro do hospital de Almeirim às 10 horas da noite, ou seja, 9 horas depois de ter dado a luz a um saudável menino e 5 horas depois que a médica autorizou a transferência para o outro hospital.

Conclusão: a jovem não resistiu e faleceu na estrada, durante o trajeto, deixando mais um órfão de mãe.

O enterro da estudante, no dia 5, foi marcado por muita emoção e um cortejo com a participação maciça de seus colegas de escola, passando a conotação do que seria a manifestação popular no dia seguinte.

Como encaminhamento da manifestação, uma comissão foi formada par elaboração de documentos a serem enviados aos Ministérios Públicos Estadual e Federal e Câmara de Vereadores para as providências cabíveis.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

6 Comentários em: Caos na saúde leva população à praça

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Ingrid Gonçalves disse:

    É muito triste a situação na qual se encontra meu mucípio, é inadmissível que uma cidade tão pequena não tenha recursos necessários para suprir as necessidades da população. Sou estudante e tenho uma visão ampla dos problemas que ocorrem em Almeirim, é notável a carência de assistência social. No hospital municipal falta até gase, pra se ter idéia.. É vergonhosa essa situação, mas pra eles, os governantes, está tudo sobcontrole, tendo em vista que eles não usufruem dos recursos locais.. E os cidadãos que não apresentam condições financeiras privilegiadas para recorrer a outras locais?? Fico muito triste com tudo isso, amo minha cidade e não aceito essa falta de respeito com os habitantes.

  • marcos disse:

    Quando o Chico lisboa era secretário especial do Aracy Bentes, enganava tanta gente e ele pensa que o povo já esqueceu, lembra da cor da tinta da caneta que ele criou para o Aracy, só para enganar o povo que ele devia e ficou devendo

  • Nem sempre o povo merece o governo que não elegeu disse:

    Esse é o belo resultado da maldita municipalização da saúde. Não vou nem falar da educação que está no CTI há tempos por causa da municipalização. Quando os constituintes de 1988 tiveram essa “brilhante” idéia de repassar aos municípios serviços como saúde, educação, trânsito, etc., a maioria deles desgovernados por incompetentes, já era previsível o caos que se avizinhava. É lamentável tudo isso, os caras não tem competência para nada nem para pintar o muro do hospital que está uma nojeira e perde para o do Estádio de futebol (aliás, que receberá eventos da feira cultural e está pintadinho) e para o do cemitério todos do município. Entrar no hospital municipal de Almeirim é nojento e repulsivo. ABAIXO OS INCOMPETENTES E A MUNICIPALIZAÇÃO (SUCATEAMENTO) DA SAÚDE.

    Quanto ao atual “Prefeito” , embora ele seja do PT, sua entrada no partido foi de última hora, mais por interesse em se eleger, parece mania, agora qualquer um acha que pode ser prefeito de cidade, tai o resultado… Detalhe, o povo não elegeu ele não, o eleito foi o candidato do PMDB que a “justiça” permitiu concorrer, fazendo confusão na cabeça do povo, e depois lhe cassou via TSE, que parece nem foi julgado o caso definitivamente por lá. ETA POVO LASCADO!!!!

  • Paulo Uchoa disse:

    Infelizmente o serviço público de saúde de Almeirim, minha cidade natal, sempre foi precário. Desde da década de 70 que a saúde no município é um caos absoluto. A falta de gestão pública deste setor é
    uma falta de respeito com a população.

  • santareno disse:

    Olha Obidos está indo nesse caminho, comenta-se que esta semana mais de 300 funcionários serão demitidos, um centro de referencia esta sendo fechado e os profissionais estão sendo remanejados para os postos de saúde.
    Fala-se que a prefeitura está falida.

  • Professora Odileida disse:

    Jeso quando li a manchete, jurei que fosse no meu município de Jacareacanga, aqui a coisa também não é diferente, o Prefeito por ironia do destino também é do PT, a saúde, educação e infra-estrutura também vão de mal a pior. O prefeito Raulien Queiroz, passa a maior parte do tempo em sua chácara que fica localizada em Itaituba, distante quase 400 kilômetros de Jacaré.
    E o povo daqui fica só assistindo o passar de carros novos adquiridos pelos usurpadores do dinheiro púlblico.

    Professora Odileida