Publicado em por em Uncategorized

A pedido, o TJ (Tribunal de Justiça) do Pará removeu o juiz titular da comarca de Porto de Moz, Gabriel Veloso, para Cachoeira do Arari, onde também será titular. Cidadão de Santarém e também agora Cidadão de Porto de Moz, o magistrado nascido no Paraná, não tenha dúvida, logo logo emplacará a sua, digamos, quadrupla […]

A pedido, o TJ (Tribunal de Justiça) do Pará removeu o juiz titular da comarca de Porto de Moz, Gabriel Veloso, para Cachoeira do Arari, onde também será titular.

Cidadão de Santarém e também agora Cidadão de Porto de Moz, o magistrado nascido no Paraná, não tenha dúvida, logo logo emplacará a sua, digamos, quadrupla nacionalidade.


Publicado por:

11 Comentários em Quádrupla nacionalidade

  • Caro Jeso, já estagiei no Fórum de Santarém, inclusive acompanhado de sua filha, e venho reiterar que – não que eu fique insatisfeito -, mas me agradaria muito ouvir que este magistrado de extrema competência ficaria em Santarém, ou próximo a nós, pois esta região, assim como muitas outras, precisa desses juízes que fazem de tudo pelo trabalho. Pessoalmente também conheço Gabriel e sua esposa, pessoas agradáveis e simples. Parabéns a ele e que continue sendo (como já li em um jornal): “o gatilho processual mais rápido do Estado”, não desmerecendo os demais, é claro!

    1. Felipe, o juiz Gabriel Veloso não é só o “gatilho processual mais rápido” do Pará, como também um figuraça. Pra mim, ele personifica, como poucos magistrados, a Justiça serena, de mãos dadas com a população e sem apego a estrelismos.

  • Mudando de Santarém para Belém? Um pena esse magistrado vai fazer falta. Não só pelo trabalho, mas também pela pessoa que é. Os funcionários do Fórum de santarém, de todas as Varas, vão ficar muito tristes o Dr. Gabriel é aquele chefe que se pode confiar uma vez que ele assume um compromisso ele cumpre, diferente de outros Juízes. Os advogados ele sempre tratou com muito respeito e tentou resolver todas as questões que lhe foram apresentadas. E o povo? Nunca deixou de atenter ninguém, ficando as vezes até altas horas da noite trabalhando. Perde Santarém, perde Porto de Moz, ganha Cachoeira do Arari!!!

  • Não entendi a tua explicação. Como antecedido de “digamos” significa o de nacionalidade? ou seria de naturalidade?

  • Possivelmente, teria sido melhor a referência a “natualidade”, ou não??? só para eu entender melhor…

  • Jeso,
    neste caso não seria quadrúpula NATURALIDADE? O juiz vai continuar sendo “nacionalmente” BRASILEIRO!

    1. O “nacionalidade”, antecedido do “digamos”, caros Jubal e Francisca Barros, tem exatamente esse significado, o de naturalidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.