Gusttavo Lima tem show milionário com verba ilegal cancelado em MG

Publicado em por em Arte, Contas Públicas, Política

Gusttavo Lima tem show milionário com verba ilegal cancelado em MG
O canto bolsonarista Gusttavo Lima já recebeu a metade do cachê . Foto: reprodução

Um show de cachê milionário do cantor bolsonarista Gusttavo Lima foi cancelado na cidade de Conceição do Mato Dentro, em Minas Gerais, anunciou o prefeito, José Fernando Aparecido de Oliveira, em vídeo nas redes sociais neste sábado, informa a Folha de S. Paulo.

O cachê de R$ 1,2 milhão foi motivo de polêmica nesta semana após ser revelado que o dinheiro partia de uma verba destinada a saúde e educação, obtida a partir da Compensação Financeira pela Exploração Mineral, a CFEM.

A prefeitura também cancelou os shows de Bruno e Marrone, que receberiam R$ 520 mil. Os artistas se apresentariam no município, como parte da programação da 32ª Cavalgada do Jubileu do Senhor Bom Jesus do Matozinhos.

Vale notar, porém, que o cantor já recebeu metade do cachê, pago em duas parcelas. Ele receberia o restante até 15 de junho, de acordo com o contrato da prefeitura.

Contudo, a cidade de 17 mil habitantes deve seguir com os shows de outros cantores sertanejos para a festa — ainda com a verba indevida. Dentre eles estão Israel e Rodolffo, contratados por R$ 310 mil, Di Paullo e Paulino —R$ 120 mil—, João Carreiro —R$ 100 mil— e Thiago Jhonathan — R$ 90 mil.

No vídeo, o prefeito cita o adiamento e afirma que a festa na cidade foi envolvida “numa guerra político-partidária” que não teria nada a ver com a celebração. Cita ainda que, por ela, já passaram nomes como Zezé Di Camargo e Luciano, Maiara e Maraísa e César Menotti & Fabiano.

“Infelizmente nós vamos ter que adiar a vinda do ‘embaixador'”, disse, se referindo a Gusttavo Lima, “e também do Bruno e Marrone, por questões eleitorais que tentaram envolver Conceição do Mato Dentro, a cidade e minha honra pessoal”.

​​O cantor diz que “não pactua com ilegalidades” e que não é seu papel “fiscalizar as contas públicas”. O Ministério Público de Minas Gerais informou nesta sexta-feira, em nota enviada à reportagem, que faz uma apuração preliminar para verificar se houve irregularidades na contratação.

Com informações da FSP

  • JC também está no Telegram. Siga-nos e leia notícias, veja vídeos e muito mais.


Publicado por:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.