Louvores ao parceiro Célio Simões, por Vicente Fonseca

Vicente Fonseca e Célio Simões, sólida amizade

por Vicente José Malheiros da Fonseca (*)

Célio Simões de Souza, amigo há longos anos e parceiro como autor de textos poéticos de quase duas dezenas de minhas composições musicais, é um ilustre obidense que agora ingressa, com merecimento, na Academia Paraense de Letras.

Tomo a liberdade de relacionar as músicas de nossa parceria: Hino da Escola Superior da Amazônia – ESAMAZ; Isabelle (Valsa) – em homenagem aos 15 anos da jovem Isabelle Rezende; Hanna (Valsa) – em homenagem aos 15 anos de Hanna Brito (neta do Ministro Ríder Nogueira de Brito, obidense, aposentado do Tribunal Superior do Trabalho, cunhado de Célio Simões); Serra da Escama (Marcha-rancho); Elbinha (Valsa) – para os 15 anos da jovem Elba Brito Maués (neta do Ministro Ríder Nogueira de Brito); Hino da Academia Artística e Literária de Óbidos – Oficializado pela Resolução nº 001/2012, de 10 de abril de 2012 (Diretoria da Academia Artística e Literária de Óbidos, que foi presidida por Célio Simões); Hino do Instituto Histórico e Geográfico do Pará (IHGP) – Oficializado pela Resolução nº 001/2016, de 30 de abril de 2016, lida durante a sessão solene conjunta do aniversário de fundação do Instituto Histórico e Geográfico do Pará (IHGP) e da Academia Paraense de Letras (APL), em 03 de maio de 2016; Yasmin (Valsa) – Dedicada à jovem Yasmin Lobato Coimbra; Santarém de outrora (Samba); Giovana (Canção) – Dedicada à jovem Giovana Simões; Clamor contra o trabalho escravo (Hino-marcha); Ode à Professora Santana (Valsa) – em homenagem aos 90 anos da Professora Ana Ayres do Amaral; As Hennington (Marcha-rancho) – Dedicada às descendentes do confederado norte-americano Reverendo Richard Thomas Hennington (*Crystal Springs, Mississipi, EUA – 1830; + Belém-Pará, Brasil – 1894); Hino da Guarda Municipal de Santarém; Hino da Academia Paraense de Jornalismo; Hino do Instituto dos Advogados do Pará (IAP); Hino da ATEP (Associação dos Advogados Trabalhistas do Estado do Pará); Canção para Léia (Fox).

Foi ele que fez a saudação na solenidade de minha posse no Instituto Histórico e Geográfico do Pará, em 2012, onde somos confrades.

Aliás, meu ingresso no Instituto deu-se graças ao empenho do estimado amigo e parceiro.

Naquela ocasião, o Hino do IHGP (com letra de Célio Simões e música de minha autoria) foi executado, em primeira audição mundial, numa gravação registrada pelo Coral e Orquestra Jovem “Maestro Wilson Fonseca”, de Santarém (PA). O Hino é executado nas sessões solenes do Instituto.

Célio trabalhou no Banco do Brasil, em Santarém, onde foi colega de meu pai (Wilson Fonseca – Maestro Isoca) e, em Belém, atuou no quadro jurídico dessa conceituada instituição bancária. Hoje é aposentado, mas continua muito ativo sobretudo na advocacia e na produção literária.

Mais do que confrade, Célio, advogado, escritor, poeta e meu parceiro em diversas músicas, é casado com a minha prima Fátima Augusta, descendente, como eu, de confederados norte-americanos, na linha de descendência de nossas genitoras (família Hennington).

Uma curiosidade sobre o “Hino da Academia Paraense de Jornalismo”: no dia 10 de setembro de 2016, Célio me enviou, como de costume, o texto poético desse hino e solicitou que a música fosse composta com urgência possível, para ser cantada pela mezzo-soprano Gabriella Florenzano, naquela mesma semana, na solenidade de posse da jornalista Franssinete Florenzano.

Na época, eu estava em Madrid (Espanha), em gozo de férias. Tínhamos programado um passeio pelo interior daquele país. Porém, optei por ficar sozinho no hotel, a fim de compor o Hino, enquanto meus parentes (esposa, filha e genro) foram para o passeio.

No dia seguinte, em 11 de setembro de 2016, o Hino da APJ estava pronto, com dois arranjos: Canto e Piano; e Noneto para Canto, Flautim, Metais, Percussão e Piano (Metais: 2 Trompetes, Trompa, Trombone e Tuba. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo). Assim, nascia mais uma parceria internacional (Brasil-Espanha).

Parabéns ao ilustre amigo, parceiro e confrade Célio Simões! Óbidos, sua família e seus amigos estão em festa!

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

* É desembargador do Trabalho, Decano e ex-Presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (Belém-PA). Professor Emérito da Universidade da Amazônia (UNAMA). Compositor. Membro da Associação dos Magistrados Brasileiros, da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho, da Academia Brasileira de Direito do Trabalho, da Academia Paraense de Música, da Academia de Letras e Artes de Santarém, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós e da Academia Luminescência Brasileira.

  • 13
    Shares

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

2 Comentários em: Louvores ao parceiro Célio Simões, por Vicente Fonseca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Vilson Schuber disse:

    Parabéns ao dr Celio Simões, advogado e escritor, merecedor, sem sombra de dúvidas dos elogios do ilustre desembargador Federal do trabalho Vicente Malheiros!
    Meu apreço a ambos.

  • CÉLIO SIMÕES DE SOUZA disse:

    Estimado Dr. Vicente Fonseca, estou dando um bom desconto nos elogios que você me faz, pois eles trazem a marca da parcialidade, ditada por uma amizade de décadas e da nossa proveitosa parceria musical. Trabalhar com o maestro Wilson Fonseca (Isoca) me propiciou um aprendizado de como se aprimorar como ser humano e cidadão, pelos seus ensinamentos e principalmente pelos seus exemplos. Até hoje o recordo com saudade, em especial quando ele me incluiu na equipe de redatores do Jornal da AABB, que mensalmente fazíamos circular em Santarém, experiência que motivou minhas primeiras incursões mais sérias pelo mundo das letras. Figurar entre seus parceiros musicais (que são muitos), não deixa de ser um privilégio, do qual eu nunca vou abrir mão. Obrigado e grande abraço.