Escrivão da Polícia Civil em Santarém, Hitamar Santos comenta o barulhento post Assassinato no Mirante:

Jeso,

Sem entrar no mérito pela emoção, mas sim, pela razão e pela legalidade, emito o seguinte comentário.

Para analisarmos qualquer caso ou situação, temos que observar pelos dois lados, com prós e contras. O rapaz que foi morto na Praça do Mirante, estava armado com um revólver calibre 38, municiado e numeração de série raspada. Ele não usava nenhum tipo de identificação que pudessem presumir ser ele um vigia ou vigilante do local. Ele não tinha permissão para portar arma de fogo.

Ele não tinha atribuições de abordar quem quer que seja e/ou fazer revista pessoal ou exigir documento de ninguém. Ele estava fazendo uma abordagem com arma em punho à adolescentes no local, como se fosse um policial.

O Policial Rodoviário Federal estava armado. Ele tem porte de arma de fogo. Ele foi treinado para portar arma de fogo e usá-la em sua defesa ou de terceiros. Ele tem o dever de agir contra o crime ou quem esteja cometendo (ao contrário do povo, que pode agir).

O PRF, como todo policial, deve portar arma de fogo, porque ele tem o DEVER de agir a qualquer hora ou em qualquer lugar contra alguém que esteja praticando um crime.

Em tese, o então vigia (sem qualquer identificação) da Praça do Mirante estava portando ilegalmente uma arma de fogo, porque não tinha porte, e a arma de fogo também era ilegal porque não tinha registro e nem poderia ter, visto que sua numeração de série, que identifica a arma, estava raspada, situações criminosas previstas na lei 10.826/03.

Quando o PRF avistou aquela situação de abordagem com arma de fogo em punho contra alguns adolescentes, sem que a pessoa que estava abordando tivesse qualquer identificação, logo presumiu ser uma situação ilegal e criminosa, o que poderia ser um assalto, e ele, como policial, ficou em alerta, pois se aquela situação de assalto se estendesse até sua pessoa e o meliante descobrisse que a vítima era policial, este seria morto na hora (isso todos sabem e é realidade).

Então, quando o suspeito teria colocado a arma na cintura e continuava abordagem nos adolescentes, rapidamente o PRF teria sacado sua arma e se posicionado na posição 3º olho e teria anunciado que era polícia, quando teria havido a reação do suspeito, inclusive teria pegado um dos adolescentes e colocado à sua frente como escudo humano, e quando teria tentado sacar sua arma da cintura, foi alvejado duas vezes pelo PRF.

Na situação acima descrita, eu, na qualidade de policial, teria agido da mesma forma. Ou se eu desse chance para o suspeito sacar sua arma e atirar primeiro, eu teria condições de reagir? Já alvejado e morto?

Finalizando, que me perdoe os familiares, pois meu comentário é realista e sem demagogia, quem usa arma de fogo ilegal é criminoso, e a polícia tem o DEVER de combatê-lo, e de agir em sua defesa ou de terceiros.

Agora, se alguma das pessoas não gostam ou antipatizam a polícia, paciência e que me perdoem, devem ter seus motivos, talvez não tiveram a oportunidade ou competência de ingressar ao quadro policial, pois todo policial é preparado para portar arma de fogo e para exercer a profissão legalmente.

E se fosse ao contrário? No caso se o vigia tivesse atirado primeiro no PRF e este viesse a morrer com sua arma na mão? Isso sim, seria um despreparo total do policial, pois ele não foi treinado para deixar o agressor atirar primeiro e morrer com a arma na mão. Acho que fui bem claro.

  • 24
    Shares

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

127 Comentários em: O policial agiu corretamente, explica escrivão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • comando delta disse:

    Isso é umá vergonha, o PRF diz ser instrutor de tiros ; existe umá diferença de mão na arma e arma na mão. o fato é ele ñ estava com a arma na mão e sim com a mesma a cintura , desculp mas o colega que deferiu os desparos teria que estar trabalhando como gandula de futebol e ñ como policial, fico indiguinado com atitudes como essas de “homens” como esses que acham que são alguma coisa, digo quem menos tem diretos Contitucional são os Agentes de segurança Publica. vc cidadão que paga seus impostos tem por obrigação de ter toda proteção do Estado ; EX: Direito a saúde, trabalho,avida AVIDA AVIDA,etc… familiares do vigilante corram atras do prejuizo coloqem adevogado e ñ deixe passar em branco, forte abraço.

  • Ronilson Uchôa disse:

    Nós santarenos devemos amar mais a nossa terra e a nossa gente. Não podemos aceitar assassinatos desta natureza como ocorreu no mirante com um conterrâneo nosso, onde o assassino se diz um policial federal e que agiu em legítima defesa. Enquanto as policias ficam defendendo e protegendo com farda o sorridente assassino, eles deveriam trabalhar para elucidar outras mortes de santareno(a)s como da minha tia, que foi ceifada por outros bandidos de fora também no centro da nossa cidade, bem em frente da Praça Rodriguês dos Santos. Já se passaram dois anos e nada, esperamos que o caso do mirante, não seja mais um a cair no descaso das nossas autoridades.

  • GEGE disse:

    Qualquer leigo sabe, pela posição do tiro, se foi execução, a queima roupa, pra neutraliza, vingança etc. Nesse caso foi pra matar mesmo, pois so um tiro seria suficiente, dois pra liquidar. O policial era tão preparado que ja sabia que a arma era ilegal, estava raspada, o vigilante não tinha porte, incrivel sabia poque andava seguindo os passos da sua vitima a dias. Eis o crime perfeito legitimado pelo aparelho do Estado.

  • João dos Prazeres da Costa disse:

    O escrivão está certíssimo em seu comentário. E se alguém tem alguma dúvida sobre a narrativa do caso pelo escrivão, basta aguardar a oitiva dos adolescentes que, óbvio, devem ser chamados para falarem no inquérito, em vez de estar pré-julgando com comentários absurdos contra a Polícia. PS: não sou policial.

    1. GEGE disse:

      É parente do Carlos Andre da Conceição COSTA

  • GEGE disse:

    Pelo menos a polícia checou no sistema dela se ambos tinha passagem pela polícia? Pq PRF, quem sabe se é PRF?, não acionou uma viatura da PM? Qualquer leigo sabe, pela posição do tiro, se foi execução, a queima roupa, pra neutraliza, vingança etc. Nesse caso foi pra matar mesmo, pois so um tiro seria suficiente, dois pra liquidar. O policial era tão preparado que ja sabia que a arma era ilegal, estava raspada, o vigilante não tinha porte, incrivel sabia poque andava seguindo os passos da sua vitima a dias. Eis o crime perfeito legitimado pelo aparelho do Estado.

  • GEGE disse:

    Desafio o escrivão a sustentar o seu comentário agora que o ministério público entrou no caso.

    1. Dilson disse:

      O ingresso do MP no caso, ou mesmo a decretação da prisão temporária do PRF, em nada altera a correta decisão do Delegado de Polícia.. A propósito, se o PRF tivesse entrado com um recurso contra a decisão que decretou a sua temporária (ou um HC), certamente que o TJ/PA a cassaria, pois o caso não engloba nenhuma das hipóteses para a decretação de medida tão extrema. Qual a utilidade, para o Inquérito, da custódia cautelar do PRF, principalmente considerando-se que não há mais nada a apurar? Infelizmente alguns agentes públicos sucumbem aos apelos da mídia, ignorando as mais elementares lições de direito. Mas ao final de tudo, com a absolvição do PRF (que é garantidíssima), certamente que não se falará sobre os equívocos do MP, ao pedir a custódia cautelar, e do Magistrado que a deferiu.
      Só para complementar a execelente manifestação do Hitamar: O vigia estava em situação de flagrante delito, seja por porte ilegal de arma, e também por usurpação de função pública.

      1. Gkenndy disse:

        Quem garante que ele estava armado, quem garante que a versão levantada é verdadeira. A questão é que pegaram a primeira história contada e quiseram encerrar o caso empurrando goela abaixo na população, no judiciário e no MP. Eu também desafio o escrivão a sustentar o seu comentário agora que o ministério público entrou no caso. Se suas hipóteses estivessem certas já teriam utilizado delas(recurso e HC). Se os procedimentos da policia tivessem sido corretos daria maior respaldo ao depoimento do PRF e a opinião pública se convenceria não gerando essa polêmica toda. Toda vez que descobrem que mataram um inocente sempre aparece com o morto armas e drogas pra incriminá-lo e inocentar o culpado. Veja o caso do publicitário paulista.

  • Albanira Coelho disse:

    Caro Hitamar, o que vimos em seu relato, puramente parcial, foi a obscura explicação do ato de um policial que como você disse, foi treinado para agir contra alguém que esteja praticando um crime. Se fizermos uma análise mais profunda das informações repassadas por você, podemos verificar algumas ilicitudes também na ação do autor. Logo, não temos como admitir que ele agiu corretamente.

    Vejamos o que o art. 25 do Código Penal Brasileiro nos diz sobre a LEGÍTIMA DEFESA: “Entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem”.

    Será que podemos entender que houve MODERAÇÃO? Foram dois tiros e FATAIS. Portanto, repelir, na linguagem jurídica não significa MATAR, mas agir com devidos cuidados até pela proteção da vida do próprio réu (neste caso, o vigilante). Independente de qualquer alegação, este cidadão também merecia a proteção policial. Se estava sob suspeita de alguma ação ilícita, o ato do policial deveria ser moderado e cercado por meios necessários para impedir o pior. Se o perigo é iminente, é bem provável que o mal possa ser evitado de maneira diversa de conduta lesiva. Primeiramente se extingue as dúvidas. O policial atirou sem saber o que de fato ocorria, apenas presumiu o pior.

    REPELIR, caro escrivão, reforçamos, é o uso de uma forma responsável de evitar o ato ilícito. Se bem treinado, o policial deveria ter técnicas de destinar o tiro em um local que não provocasse a morte (poderia ser para o alto, ou atingir a perna, o braço), algo que pudesse afugentar a inquietude do suspeito. Assim, resguardaria a vida de todos os envolvidos na ação. Como podemos acreditar em legítima defesa, se o réu estava com o revólver na cintura? Não se mata, nem se incrimina ninguém por PRESUNÇÃO. Este termo é usado na defesa do réu, no sentido de esgotar todas as dúvidas a seu favor, que até que se prove o contrário é inocente. Muitas coisas ainda nos faltam ser ditas para clarear tantas dúvidas que envolvem este fato. Certo é que os tiros colocaram também em risco a vida dos adolescentes e devemos admitir que atitude do policial foi imoderada.

    Não banalizando a vida dos “homens de farda”, mas os profissionais treinados para proteger a vida, proporcionar segurança, podem alegar tudo, menos Legítima Defesa ou Estado de Necessidade por ter o DEVER LEGAL DE ENFRENTAR O PERIGO. O policial, embora alegue Legítima Defesa e PUTATIVA (por achar que tinha a certeza de que levaria um tiro) o ato não o isenta do CRIME. No nosso ordenamento jurídico utilizamos a teoria Bi-partida (Fato Típico e Antijurídico), porém exclui a punibilidade, portanto a pessoa não fica presa, podendo sofrer condenação, mas a punibilidade é extinta

    Ainda falta o esclarecimento desses jovens que foram abordados, pelo visto principais protagonistas dessa infeliz história. É segredo que está sob sete chaves, até por envolver adolescentes. Mas o que tem de tão diferente do que relata o policial? Algo que coloque em dúvida a versão até então divulgada? Será que não há interesse da polícia em colocar um ponto final em tantos questionamentos?

    Por outro lado, entendo perfeitamente que o trato para proteger o autor dos tiros, seja por dolo ou culpa, tenha sido com total proteção da polícia em nome da preservação da vida. Mas onde estão os dois pesos e as duas medidas? Quantos mataram, se entregaram e tiveram que enfrentar as celas fétidas da Polícia Civil até a chegada da resposta de um juiz de Direito, por meio de um mandado de soltura? Nem a autoridade policial, que ainda trabalhava na abertura de um possível inquérito, sabia da retirada do nosso visitante-atirador da cidade.

    Pasmem! Mas em nome da Lei é assim que deveria agir a polícia em todas as circunstâncias. Proteger o cidadão sem distinção de raça, cor, condições financeiras, mesmo tendo este acabado de cometer um homicídio. Há poucos dias vimos um cidadão comum sendo retirado de uma delegacia de polícia, em Castelo dos Sonhos. Foi linchado e para fechar o feito, populares atearam fogo no corpo do indivíduo. Onde estava a polícia nesta hora? O homem havia assassinado o enteado, crime inaceitável no meio social, mas nada impedia que ele recebesse a proteção do Estado para continuar vivo e pagar pelo crime. Que a justiça cuidasse das penalidades que este merecia pagar, mas a polícia tinha o dever legal e de ofício, a exemplo da retirada do colega de farda da cidade, de protegê-lo.

    Albanira Coelho
    Jornalista, pós-graduada em Direito Penal e Processual Penal e estudante do oitavo semestre de Direito.

    1. abraao disse:

      srª jornalista, a srª conheci a realidade de castelo dos sonhos??
      a acho q a srª pensa q o efetivo da polícia em castelo dos sonho é do tamanho ao de santarém. e não é bem assim.
      e mais a mídia só sabem crucificar a policia! por q vcs não crucificam os politicos, q fazem essas leis , q qualquer advogado acha brecha nas leis??
      é muito fácil criticar, mais o policial tem uma vida tbm e não quer perder.
      em uma situação q vc pode me matar e eu posso matar vc, eu prefiro q vc morra e assim vc, preferi q eu morra.

      1. castro disse:

        a pessoa quando fez concurso para a policia civlil, ja sabia que seria mal remunerado, ingressaria uma corporação desacredita, sabia o que é policia civil, portanto, não chore sobre o leite derramado, não se mata simplesmente por matar, numa refrega so se mata quando se tem INTENÇÃO de matar, porquer não atirou na perna, no braço, ou outra parte do corpo, o PRF, era instrutor de tiro, tinha alvo certo, portanto não venha com essa desculpa de que não queria matar.

        1. joão disse:

          nao existe desculpa caro castro,e sim o cumprimento da lei,portanto o policial agiu certo,agiu da forma que foi ensinado na academia,dentro da legalidade,e matou em defesa da sua vida!!

    2. Carlos Firpo disse:

      Albanira Coelho, teu conhecimento é teórico, longe da realidades das ruas! Você ainda acredita nesse lari-lari de proteger criminosos, os hipossuficentes, em recuperação de apenados, blá, blá… Suas palavras são bonitas no meio acadêmico, mas não colam na vida como ela é! Se imagina na cena do ocorrido, você como policial. Vê uma situação, onde um cara armado ameaça pessoas! Tua adrenalina vai a mil, você poderá ser a próxima vítima! Toma a iniciativa de agir por dever. Polícia! Adverte! Levante as mãos! E o cara tenta sacar a arma outra vez pra acabar com sua vida com uma arma fria?! A postura da vítima deveria ser de funcionário público (apesar de ser terceirizado) e gritar: Sou vigia da Prefeitura! Minha arma está na cintura! Sou vigilante!!!! Preferiu sacar a arma e tentar neutralizar um Agente do Estado! Perdeu. Aí a família (que acredita piamente que a arma era legalizada, que o sujeito tinha porte, etc) culpam o policial por ter feito o trabalho dele! Ora, paciência! Não existem mais deveres, é SÓ DIREITOS!!!! VTNC!!!!

    3. willamy disse:

      acho melhor vc estudar mais um pouco sobre legítima defesa..

  • jose carlos de araujo disse:

    Hitamar,

    A policia está investigando….essa é boa.
    Todos nós sabemos que a policia i..ta…mar.

  • Breno disse:

    Nem falta de oportunidade nem falta de competência para entrar no quadro policial, o que muitas pessoas têm mesmo, é vergonha dessa farda, e mais competência ainda, pra ingressar em quadros mais honrados.

    1. abraao disse:

      olha breno, tu pode ser um doutor, mas pra vestir essa farda, não é qualquer um. pelo menos agora né! quem sabe tu não estas decepcionado por não ter passado nesse concurso!
      e eu não me envergonho dessa farda, eu tenho é orgulho de falar q eu sou policial.
      talvez um dia tu vai mudar esse teu pensamento,
      pra mim quem fala mal da policia é b …

  • Alex disse:

    Entendi que a maior parte do problema foi a saida do PRF de Santarém, e o fato dele ser “forasteiro”como muitos disseram nos comentários. Nas notícias que li, familiares e amigos do vigia foram para porta da delegacia exigir justiça, com o histórico de invasões e depedrações de delegacias e outos prédios públicos no Pará como deveriam agir os Policiais?, Permitir um linchamento?
    Absurda a postura de algumas pessoas contra os “de fora” e o bom senso.

    1. abraao disse:

      concordo com vc alex!!

  • Crys disse:

    Acho incrivel como as pessoas criam e cogitam histórias como se reais fossem. O escrivão ouviu todos os depoimentos e, portanto, sabe bem o que está falando. Todas as testemunhas saíram imediatamente do local do fato para a delegacia para prestar seus depoimentos, inclusive o PRF; o qual, se fosse um criminoso como muitos afirmam, demoraria pelo menos algumas horas para comparecer à delegacia.
    Ao analisar o fato narrado pelo escrivão, pela ótica do Direito Penal, podemos verificar quem é o criminoso.
    Esses jornais sensacionalistas criam versões para ter ibope. Sem saberem de absolutamente nada dos fatos e das leis.

    1. Mário disse:

      ótica do direito penal…..vc tá cega ou é mesmo despreparada!

    2. Anônimo disse:

      Cris a arma que apresentaram a policia não estava com o morto colocaram lá, o Davi estava desarmado foi assassinado mesmo a verdade vai aparecer pois esse crime não foi perfeito viram tudo aguarde e vc vai se imprecionar com o caso

    3. eu disse:

      A luz do Direito Penal e com a legislação penal vigente, creio que o PRF agiu dentro da legalidade.

  • Lino disse:

    Policial Hitamar…com todo esse conhecimento que vc diz ter pq vc não fez concurso pra Juiz???? Será que vc que é tão competente conseguiria passar na prova??? Aliás, vc é formado em direito???Se for qual a média de suas notas no histórico disciplinar???

    Se vc não sabe o policial não tem o DEVER de atirar e sim de proteger a sociedade, o cidadão…o policial atirou um cara que nem estava com a arma em punho…segundo seu proprio relato ele fez menção de pegar alguma coisa que poderia ser sua carteira para mostrar a identificação de vigilante e esse policial mal preparado ou até mesmo mal intencionado matou a sangue frio um trabalhador…

    1. ... disse:

      Você tem sérios problemas de interpretação de texto!

  • GEGE disse:

    a cena do crime foi alterada, assim como as provas materiais, as armas passaram por varias mãos

    1. Anônimo disse:

      Nesse mato tem coelho!

  • Não e Não Von disse:

    Muito estranho a polícia civil não permitir que fosse registradas imagens do policial.

    1. eu disse:

      Acredito que você não assiste televisão.

  • João Simões disse:

    Infelizmente as pessoas estão se deixando levar pelo lado emocional e estão deixando de analisar os fatos existentes. Fato no qual segundo depoimento das testemunhas o vigilante sacou sua arma mesmo depois da abordagem do policial federal, dando assim motivos de sobra para ser alvejado. Lamento pela familia da vigilante, mas a verdade é que ele não podia estar portando arma de fogo, a arma possuia numeração raspada e o rapaz ainda tirou o révolver da cintura depois da abordagem policial. Honestamente, não entendo porque nessa história tão fazendo o policial de vilão.

    1. Antonio disse:

      Infelismente quem ta morto não pode dar o depoimento, será que a arma estava mesmo com ele? cade os menores? porque a policia pegou a arma e não preservou a mesma com a possivel digital do segurança? ja vimos diversos policiais plantarem provas pra se livrarem de erros. Todo o local do crime foi mexido, são varios erros da policia.

  • alexandre disse:

    Acho que ninguém quer saber se o policial estava certo ou errado. TODOS queremos explicações sobre a forma ‘VIP’ que o cara foi ajudado para chegar até aeroporto. Explica escrivão?

    1. abraao disse:

      alexandre vc queria q policia deixasse ele ser lixado?? só entende quem vive!!

      1. Eder disse:

        Vc quer dizer linxado né?

  • Jeremias disse:

    É MUITO FÁCIL CRITICAR A POLÍCIA, MAS DIFÍCIL É SER ELA…

  • Indio Papa Charlie disse:

    Hitamar, se fosse ao contrário, com certeza o vigilante seria autuado em flagrante por crime de homicídio, e estaria atrás das grades, isso todos nós temos certeza!

    1. olavo disse:

      claro pois ele nao tem porte de arma pra ta andando com arma na cintura. Mas ta uma Historia mal contada e bom investigarem.

  • Cris disse:

    Querem crucificar o PRF só porque ele é policial, se fosse um cidadão comum, nada disso estava acontecendo.
    O cara estava errado mesmo. quem usa arma é policial ou bandido.
    se eu fosse um policial fazia o mesmo, não ia deixar o cara me atirar primeiro.
    hitamar, polícia é policia, agora tem aqueles que estão na polícia por acaso e não atuam no combate ao crime.

    1. Jheremy disse:

      Olha minha cara se fosse um cidadão comum na mesma hora staria fazendo companhia p/ os ratos no fundo d uma cela

  • Ronei Oliveira disse:

    Não questiono se o o segurança estava certo ou não.
    O que é de indignar é a atitude do PRF e o tratamento dispensado pela nossa polícia.
    Cabe ao Hitamar esclarecer se o fato da vítima estar com arma ilegal (que só foi constatado depois do crime consumado) dá direito a um agente policial agir como fez esse forasteiro. Se ele é instrutor da Polícia Rodoviária Federal deve saber métodos mais humanos de abordagem.
    O escrivão fala que a vítima reagiu à ordem do policial e até usou um adolescente como escudo humano.
    Se foi assim, como o tiro acertou o rapaz sem atingir o garoto?

    1. Lino disse:

      Também gostaria de fazer a mesma indagação da sua…Como o vigilante foi atingido 2 vezes no peito tendo uma pessoa na sua frente???Era um anão ou uma criança de no máximo 5 anos!!!

      1. Eloá disse:

        Porque ele é profissional, se fosse o vigia ele teria acertado no mínimo umas três pessoas inocentes.

    2. Visão da Justiça disse:

      Ronei, por mais que você não queira, o policial agiu corretamente. A morte aconteceu por uma série de erros e ilegalidades cometidas pelo vigilante e pela prefeitura.
      Métodos humanos de abordagem????rsrsrrssss..o cara estava com a arma em punho, sem identificação alguma!!!! Você já pensou se nessas situações a polícia sair perguntando: Ei você ai com a arma, vestido civilmente e abordando pessoas, você é bandido ou é mocinho?
      90% dos policiais já estavam mortos.
      Cai na real!!!
      Essa é a verdade.

      1. castro disse:

        vc esta certo amigo, morto não fala para se defender.castri

  • Reinaldo Ferreira disse:

    Meu caro Hitamar, nao é só uma questão de competência passar e ingressar na sua policia civil, é também uma questão de preparo, neste caso, despreparo da polícia como lidou com o caso, liberando-o imediatamente após depoimento. Por mais que os policiais tenham porte de arma e podem andar armados, a policia seja qual for, civil, militar, federal ou mesmo rodoviária, não poderá ter esse comportamernto, “a sociedade não aceita esse tipo.”

    Desaprovador a atitude tanto da civil quanto da militar. Quer dizer que o inquérito policial já é caso encerrado e o culpado está morto? Só no Brasil-Santárém…!

  • fulano disse:

    agiu corretamente porque não matou um ente de sua familia.

  • Rita disse:

    O comentário deste senhor Hitamar só reforça a minha opinião que nossa policia é despreparada, como pode um homem que se julga “autoridadde” falar essas besteiras. Nada do que ele falou foi provado, a policia errou e errou feio ao proteger esse dito policial, qualquer que seja a versão correta, o suposto PRF estava errado.Não moro mais em Stm há muitos anos e a cidade em que resido atualmente por necessidade é uma das mais violentas do País e sempre me orgulhei de ser filha desta terra pacifica. O senhor Hitamar é pago (pode ser pouco, mas é pago) para proteger a população e não para agir coorporativamente.

  • PATROCINIO disse:

    Agora me deu ” MEDO” o escrivão Hitamar , disse: “eu teria feito a mesma coisa ”

    O David foi executado caro escrivão… foram dois eu disse dois tiros…
    Legitima defesa o tiro é da cintura pra baixo….
    O dever do POLICIAL é proteger e resguardar a vida, inclusive de criminosos..
    Não é isso policial?
    Não teria dado tempo do “POLICIAL” ter pedido ajuda do 190 da policia?
    Quem garante que a arma no local era de David?
    O delegado que cuida do caso disse a uma emissora de TV que não sabia que o assassino tinha deixado a cidade….
    O caso foi concluído? ouviram as testemunhas….. investigaram o caso…. O policial não estaria aqui pra praticar um crime encomendado ” Já que a vitima é militante de um partido politico..?
    Não teriam que pedir a reconstituição do crime?
    Já que você entrou nessa responda- nos essa perguntas?
    Por favor nobre policial.

    1. Alex disse:

      Quem disse que legitima defesa é “tiro da cintura para baixo”? Só se quiserem que todos os policiais em confronto morram. Existe uma técnica chamada tiro duplo policial, treinada a exaustão em todas as academias de policia do Brasil, justamente para incapacitar o perpetrador imediatamente, e evitar que continue na injusta agressão.

      1. castro disse:

        agora me deu medo, policial, e ainda mais escrivão com poder de julgamento, ainda mais nos crimes contra a vida, que é julgado no tribunal do Júri. Te cuida MM. Juiz Gerson Marra.

    2. Hitamar Santos disse:

      Corra logo, se inscreva no vestibular para o curso de direito, estude o suficiente e depois a gente discute sobre o assunto.

    3. Fred disse:

      Onde esta escrito que legitima defesa é da cintura pra baixo?

      Meu Deus quanta bobagem as pessoas escrevem!

      e viva a liberdade de expressão (a aprovação para falarem asneira!)

  • Adilson Araújo disse:

    Caro “Juiz” Hitamar:
    Vc perdeu uma boa oportunidade de ficar calado. Principalmente por fazer parte de uma instituição DESACREDITADA e mal paga. Por isso não existem interessados em ingressarem nas polícias, civil e militar. E alguns dos que ingressam, pensam como vc e agem como esse ‘mal” servidor público da PRF.
    Hitamar, o pensamento comum agora é o seguinte: há um morto que ninguém vai saber a versão, há uma arma “raspada” que ninguém vai saber de quem é ou quem “colocou” lá e, se o protegido da PM é inocente por que foi escoltado até o aeoporto? Bom, mas o despreparado atirou e matou, nesse caso ele passa a ser um assassino? São tantas duvidas e perguntas que, nós que pagamos os seus míseros vencimentos, precisamos exclarecer!
    E a prefeitura, hein? Responsável pela segurança do logradouro não fiscaliza a prestação do serviço para saber como está a execução?
    Coitado do governador, ainda vão dizer que foi ele quem matou! Ah, o assassino é funcionário público federal, então eu posso dizer que foi a Dilma?

    1. Indio Papa Charlie disse:

      Adilson, verifique o número de candidatos inscritos nos últimos concursos da PC e PM, você verá o grande números de candidatos querendo uma vaga nos quadros dessas intituições, antes de postar algo procure saber o correto para não passar por desinformado.

    2. Hitamar Santos disse:

      Nobre Adilson Araújo, não onde você procurou embasamento para dizer que a Polícia Civil do Pará é desacreditada e mal paga. Aliás, a nossa Polícia Civil é uma das melhores do Brasil. Quanto ‘mal paga’, talvez você esteja se referindo ao salário do policial, que para muito pode ser pouco, mas para mim é o suficiente para manter meu padrão de vida e de meus familiares, e acima de tudo, defender diuturnamente uma sociedade da qual você faz parte.
      Policial Civil que se preza e honra o juramento feito por ocasião de sua posse, faz como eu, defende a sociedade e sua instituição como se fosse sua família, e mais, não teme em ser positivo nos seus posicionamentos e colocações.
      Por fim, a polícia não tinha nenhum motivo para colocar lá qualquer objeto que pudesse modificar a cena do crime ou distorcer as provas.
      Qualquer dúvida, companheiro, procure as autoridades policiais que estão apurando esse caso para tirar suas dúvidas, se é que você poderá um dia entender pelo simples desconhecimento jurídico ou por pura ignorância.

      1. ASPOCBAM disse:

        Bravo companheiro Hitamar. Quem o conhece sabe que você é um policial positivo e contundente nas suas ações, comportamento que infelizmente nem todos tem. Estamos com vc.
        Esse pessoal incompetente tem uma inveja da polícia, tanto que estão por aí doidinhos tentando entrar na polícia civil, que diga o último concurso. E olha que dizem que a polícia paga mal, mas li muitos nomes de advogados da região, que se dizem renomados, inscritos para fazer concurso pra delegado e até para escrivão e investigador.
        vamos continuar a luta companheiro em prol da sociedade santarena.

        1. Jeso Carneiro disse:

          Hitamar Santos tem uma qualidade rara em Santarém: não tem medo de opinar, não se furta em defender suas ideias e, melhor, de cara limpa, sem usar pseudônimos, sem usar máscaras. Pode se discordar dele, de suas teses, mas é elogiável sua postura, sua atitude de cidadão e profissional. Parabéns, Hitamar!

    3. eu disse:

      Adilson Araújo você é um cara desinformado, dizer que a Polícia Civil do Pará é despreparada, no mínimo você não ler reistas e nem jornais. A Revista Veja lançada no dia 02 de novembro de 2012 elegeu a Polícia Civil em Santarém como a mais preparada do Brasil, além disso no meta de elucidação de crime está acima dos padrôes norte-americano, ou seja meu caro, procure ler e se informar antes de falar asneira. Tenho colegas investigadores na PC que sao altamente qualificados. Se você não sabe a PCPA ganhou um prêmio internacional concedido pelo FBI, se não sabe, é a Polícia federal norte americana referencia em investigação.

  • Concursado disse:

    E o mais incrível é ver o policial militar segurando em suas mãos as duas armas e sem luva. Isso não é trabalho da perícia, Instituto de Perícias Científicas Renato Chaves?

    Também acredito que a arma, calibre 38, foi plantada no local. Os PM não seriam tão burros de impregnar outras digitais nas armas, ou são?

    A verdade é que existe sim, MUITO PROTECIONISMO E CORPORATIVISMO nesse episódio e está muito obscuro toda essa camuflagem da Polícia Cívil e Militar.

    Isso parece muito mais uma EXECUÇÃO, do que uma AÇÃO DE LEGÍTIMA DEFESA.

    Estória para boi dormir, contem outra.

  • ddm disse:

    É impressionante a perícia que foi feita, um policial aparece em fotos com as duas armas do crime na mão, pelo que se sabe esse material ele é manuseado pelo perito e com luvas, após isso, colocado dentro de um saco e levado para o laboratório de perícia, para exame de digitais. Acho que os nossos representantes do judiciário não devem ser omissos quanto a essa situação, Santarém não é uma cidade provinciana, em que um escrivão fala, um comandante de polícia protege e dá fulga para um cidadão que comete um crime, não é investigado, e no mesmo dia foge, como se nada tivesse acontecido. Eu imagino esse policial rodoviário no exercício de sua profissão. Quem não obedecer ele mata?

    1. Alex disse:

      Esse pessoal anda vendo muito programa de cena de crime, e também não houve fuga, o Policial tem emprego e endereço fixo, pode ser achado pela justiça a qualquer momento.

  • anonimo disse:

    Meus amigos e minhas amigas, prometo que no outro ano darei a este ilustre policial federal o certificado e CIDADÃO SANTARENO e pra policia militar que com um gesto simbolico de dar uma carona para este proficional e uma farda meus parabens!!!! VERGONHAAA!!!!! JUSTIÇA!!!!!!

  • Visão da Justiça disse:

    Senhores, esse caso é realmente inadmissível por diversas situações. Acho triste a posição sentimentalista, oportunista e politiqueira (ontem na propaganda eleitoral o fato foi usado por uma candidata).
    O fato ocorrido ontem nos evidencia várias falhas e crimes, que são:
    1) O vigilante morto não apresentava nenhuma identificação (falha grave do contratante);
    2) O vigilante morto não podia estar armado naquele local (falha grave do contratante);
    3) O vigilante morto não podia estar armado, pois não tem porte de armas autorizado (crime);
    4) O vigilante morto portava uma arma com numeração raspada, ou seja, origem ilegal. Geralmente, esse tipo de arma é proveniente de furtos ou roubos. Utilizada pelo tráfico e criminalidade em geral. (crime);
    5) O vigilante morto fez abordagem a civis com arma em punho sem estar autorizado para isso.
    7) O policial rodoviário federal atirou por ver uma situação de grave risco: pessoa comum, sem identificação, portanto arma em punho e abordando outras pessoas.
    8) Essa é a versão dele e das testemunhas ouvidas;
    9) O policial se apresentou voluntariamente descrevendo os fatos. Não houve resistência alguma.Além disso, tinha toda a sua documentação correta;
    10) Conforme versão das testemunhas, a caracterização de legítima defesa está consolidada;
    11) Sua integridade física estava ameaçada por populares. Sendo assim, o procedimento de escolta e de tirar a atenção das pessoas utilizando a vestimenta da polícia é uma prática adequada;
    12) Ele responderá o processo em liberdade;
    13) Será aberto inquério policial para apuração de todos os detalhes e punição aos culpados.

    Perguntas e averiguações:
    . A responsabilidade de todo ocorrido começa pela investigação contratual da relação entre o vigilante e a prefeitura.
    . Cabe à Prefeitura Municipal de Santarém a fiscalização do serviço.
    . Como o vigilante contratado pela Prefeitura teve acesso a uma arma ilegal? Qual a origem dessa arma?
    . Qual o treinamento exigido e critérios mínimos para o exercício da função? Ela é obedecida pela prefeitura?
    . O que o PRF estava fazendo no local? Qual a finalidade de sua viagem?
    . O PRF tem antecedentes de comportamento violento ou problemas junto a sua corporação? Fato parecido já ocorreu?

    E por ai vai…

  • Anônimo disse:

    Obrigado Hitamar Santos pela arrogância (“Agora, se alguma das pessoas não gostam ou antipatizam a polícia, paciência e que me perdoem, devem ter seus motivos, talvez não tiveram a oportunidade ou competência de ingressar ao quadro policial”); por tentar justificar o injustificável (“No caso se o vigia tivesse atirado primeiro no PRF e este viesse a morrer com sua arma na mão?”. Resposta: certamente o vigilante estaria morto, detido provisoriamente na delegacia regional ou já estaria preso na Penitenciária. Última questão: se o vigilante usou um dos adolescente como escudo, como o PRF o alvejou com dois tiros certeiros no peito?. O fato é que, apesar das possíveis irregularidades do vigilante, o Policial Federal também errou, foi ridiculamente escoltado pela PM e pela Policia Civil até ao aeroporto, e foi prepotente e arrogante ao sair de Santarém. Como em casos anteriores, certamente sairá impune dessa ação desastrosa.

  • Mateus. disse:

    falou o Juiz em direito Hitamar, agora Dr Hitamar e legitima defesa dar um tiro no peito?

  • Sidnei Rocha disse:

    Uma explicação técnica sobre o ocorrido escrivão . Porém, o que a população está questionando, além do fato de o PRF ter tirado a vida de uma pessoa trabalhadora, é a rapidez e a forma como o policial rodoviário foi liberado. Na minha opinião, a polícia local deveria averiguar o epiśodio com mais detalhes, afinal uma vida foi ceifada. Ao permitir a saída do agente, sem que uma investigação mais precisa fosse posta em curso, a policia abriu margem para que a população externasse toda sua revolta em relação ao caso. O rapaz era um funcionário de uma empresa, independente de está portando uma arma ilegal, ele trabalhava naquele momento. Não sei como foi a abordagem dele (no momento da revista) em relação as pesssoas que se encontravam naquele ambiente do crime, no entanto, a mesma leitura que o agente fez em relação a pessoa do David, pensando que fosse, talvez, um ladrão, a vítima, (David), poderia ter naquele momento feito a mesma leitura em relação ao Policial rodoviário, ou seja, talvez ele tenha pensado que o mesmo estivesse enganando-o ao afirmar que era agente federal, afinal, pelo menos essa informação não se tem, ele não teria se identificado como tal (apenas verbalmente). Ele (o PRF), na minha opinião, errou na sua atitude. Ele tirou a vida de um cidadão e não de um bandido, como pensava que fosse. Acredito que a família tem toda razão em ficar revoltada com a polícia. Era um rapaz jovem, trabalhador, pai de família e que tinha toda uma vida pela frente. Espero que a justiça possa continuar investigando o caso, e que se preciso, intime o policial para que o mesmo possa retornar à cidade para prestar esclarecimentos precisos e ficar a disposição da justiça para investigação posterior.

  • jorge.tm@hotmail.com disse:

    Hitamar.

    A policia em qualquer parte do Brasil e despreparada e na maioria das vezes corrupta,conheço muitos casos de policial despreparado e corrupto são desonesto e muitas vezes agem como bandido, costumam acoberta seus pares.
    Eu queria saber a tua posição se este despreparado tivesse matado um parente teu,a maioria dos policias são arogantes e se comportão de maneira como se fosse dono da lei.

    Pense nisso amigo.

  • Juliana Pinto disse:

    Precisamos reagir a atos como este de puro desrespeito, descaso, deboche, praticados por pessoas que deveriam nos proteger, dar a devida importância e consideração. Nós, pessoas do bem, cidadãos cumpridores de seus deveres mas que não possuem seus direitos garantidos. E somos responsáveis pelo sustento de pessoas como este policial federal que na tentativa de “proteger” prováveis trombadinhas (?) acertou um pai de família. O aparato para escolta e assim a realização de seu check in para embarque em voo comercial foi SURREAL se pensarmos que NADA foi feito pela vítima. Tranquilamente, disfarçado de policial militar, o responsável pelo homicídio chegou ao aeroporto em uma VAN da PENITENCIÁRIA de Santarém. Após o check in ainda lhe foi permitido TROCAR O DISFARCE que acredito tê-lo deixado em êxtase pois o mesmo saiu de um dos banheiros públicos sorrindo como se nada tivesse acontecido e assim deixou a cidade. Indagado o delagado responsável afirmou que NÃO SIDO INFORMADO da partida do policial, que estava passando férias na cidade. Minha indignação torna-se cada dia maior a medida que o fato evidencia profundo descaso e desrespeito conosco, como o texto deste policial Hitamar. Não tenho nada contra a policiais mas temos inúmeros exemplos de despreparo da categoria e de vítimas desta má formação. Este caso por exemplo, tão cheio de falhas. O que vi no aeroporto foi no mínimo espantoso. Logo imaginei que um bandido de “alto calibre” estava embarcando/desembarcando qdo fomos cercados por policiais fortemente armados. Sem ressaltar altivez com que circulavam entre a gente. Perfil bastante comum da classe. Mal pude imaginar que tratava-se da proteção de um responsável, FEDERAL, pela morte de um funcionário. As considerações postadas acima reforço como minha profunda indignação dada a este caso.

  • Alma Cabocla disse:

    Quer dizer então que qualquer policial, por ser policial pode matar primeiro e perguntar depois? ainda que a vitima fosse um perigoso assassino, que estivesse ali, ameaçando as pessoas, o policial, teria o “dever de oficio”, de matar primeiro e perguntar depois? que preparo esse assassasino travestido de policial tem, para andar armado e enfrentar situações faticas no dia a dia? e a legisção nao permite essa pratica homicida justificada pelo escrivão, o nome disse e coorporativismo, nessa caso, homicida e burro, lamentavel o comentario do esccrivao.

  • Antonio Carlos disse:

    Guilherme, essa é a mesma policia que atirou naquela invasão a mando da MARIA DO CARMO. e Outras no programa eleitoral de ontem a Maria Mostrou o papel de uma pessoa totalmente desiquilibrada, agora te pergunto e se aquela dona de casa sofre uma parada cardiaca e morre aos pés da Santa Maria do Carmo e da Beata Lucineide. De que lado voce estaria neste instante?

  • Houve um crime e isso é fato. quanto as explicações do policial, não são verdadeiras, pois não existe laudo. Pelo que parece, acho que nem o criminoso foi ouvido em depoimento, pois quando se fala em policia federal, a maioria tem um cagaço deles se como eles fossem o dono da verdade e não cometessem deslizes. Mais o que mais me intrigou, foi a policia camuflar o assassino para poder deixar a cidade. Porque ele não saiu com a escolta da própria corporação a qual pertence? porque precisou de proteção, se quem matou foi ele? Ou será que Santarém só tem criminoso e o único inocente é justamente esse policial? A policia quando quer, ajuda, quando não quer, cruza os braços.
    Fui assaltado dentro da minha casa, o bandido foi preso e até hoje não me devolveram os objetos que foram levados de dentro da minha residência e ainda veio um policial metido a merda, dizer para minha esposa que era pra ela não ficar dando sopa na rua, sem nem ao menos saber o que tinha ocorrido. Felizmente, eu não estava presente na hora que ele falou essa besteira, porque eu mandaria ele a merda e ficaria preso por desacato a um policial despreparado. É revoltante lidar com essa classe.

    Manoel Nascimento

    Salvador – Ba

  • João disse:

    QUANTO A ARMA QUE APRESENTAVA SUA NUMERAÇÃO DE SERIE RASPADA, É BEM PROVÁVEL QUE A PERÍCIA DO CPC RENATO CHAVES IDENTIFIQUE A NUMERAÇÃO E CONSEQUENTEMENTE A PROCEDÊNCIA DESTA ARMA DE FOGO.

  • Claudenice Lopes disse:

    A pergunta que não quer calar: Por que a Pericia Criminal não esteve no local para realizar os procedimentos legais sobre levantamento de informações sobre o crime? O IML esteve lá apenas para remoção do corpo. Incrível, o despreparo desses profissionais, quando encontram um corpo jogado em um matagal, isolam logo a área, não deixam ninguém chegar perto. E no caso do segurança, o Mirante estava cheio de policiais militares, da PRF e da Civil, e a área de cena do crime foi toda invadida. O fato desse Policial Carlos André ter afirmado que matou para se defender basta aos peritos criminais e ao delegado de Polícia Civil para concluir inquérito? Se é que esse inquérito foi instaurado. Nem o Boletim de Ocorrência foi permitido a família registrar, com a garantia do delegado Nelson de que o assassino confesso não seria liberado. E três horas depois já estava no aeroporto pronto para retornar a sua cidade de origem. Ministério Público do Estado, Secretaria de Segurança do Estado, precisam de manifestar e apurar essa crime. Por que existe um crime, as circunstâncias precisam ser apuradas. Não só a família precisa desta reposta, mas, a sociedade como um todo quer uma resposta, e quer continuar acreditando na Justiça.

  • Pasmo disse:

    Raaaa! Raaaaa! que policia é essa? Afinal é o sistema do jeitinho brasileiro!

  • josé silva disse:

    hahahahhaha

    quer dizer então que o exímio policial rodoviário federal percebeu ao mesmo tempo que o vigilante havia uma arma irregular, não possuia posse de armas e estava assaltando os garotos?
    o polícial rodoviario poderia também ter percebido que se tratava de outro policial descaracterizado realizando um aborgem?
    e quanto aos dois tiros no peito?

  • Samuel Lopes disse:

    Jeso,

    Diante dos fatos até então revelados, é natural que o sentimento de revolta e o clamor por justiça impere no meio social mocorongo. Entretanto, é imperioso pontuar que a polícia civil e militar santarena agiu de maneira correta demonstrando pleno conhecimento da legislação pertinente.

    Nesse sentido, é importante recorrermos a pressupostos fáticos de uma excludente de ilicitude e relacionarmos ao limite ou a existência de uma causa de justificação.

    Assim, a legítima defesa putativa se constitui na conduta do agente, que ao se imaginar em situação de legítima defesa, reage a esta suposta agressão injusta.

    São relevantes ao estudo da legítima defesa putativa os pressupostos da legítima defesa, quais sejam os elementos objetivos (existência de agressão injusta, atual ou iminente, moderação no uso dos meios necessários); e o elemento subjetivo (vontade do agente em se defender).

    A legítima defesa putativa está inserida entre as descriminantes putativas, previstas no artigo 20, §1º, do Código Penal. Outrossim, o fato que ocorreu ontem foi um exemplo clássico dos inúmeros manuais de direito penal que infelizmente resultou na morte de um trabalhador santareno.

    Posto isso, não há superfato jurídico que justifique a prisão do policial rodoviário federal.

  • Anônimo disse:

    Putz … Incrível como as pessoas perdem totalmente a sensibilidade. Esse Hitamar querer defender o indefensável, justificar o injustificável. Isso é falta de Deus

    1. EMERSON SANTOS disse:

      Ele simplesmente falou a verdade o que a lei determina, se é injusto lei é pra ser cumprida e não discutida, e o policial vai responder na justiça pelo que fez, a lei vale para todos e não pode ser alterada de acordo com cada caso, o que não pode é querer ligar este crime com politica, isto é que não pode acontecer, vamos dar um basta já chega a baixaria que temos que ouvir e ver na tv, algum politico está preocupado realmente com a família do morto, duvido muito.

      1. Anônimo disse:

        Se o PRF matou uma pessoa, seja la quem for e estava a paizana, significa que alguma explicação ele ia ter que dar. Quem libera é a justiça w não delegados ou escrivaes.

  • guilherme disse:

    Qual a explicação Hitamar, p protecção ao Assassino? Porquê não decretaram a Prisão em Flagrante? Porquê às armas estavam nas mãos de policiais sem qualquer protecção p resguardar às digitais? Quem garante que a vítima estava mesmo armado? E o sorriso do Assassino sem qualquer discrição? Tem haver com o ato reconhecidamente por vocês de que ele agiu certo? E realmente Uma vergonha você vir a público defender um assassino que matou um pai da família e saiu rindo de nossas caras. Essa e a polícia gerida pelo PSDB: a mesma que matou trabalhadores sem terra em Eldorado do Carajas e que agora enaltece a atitude de um assassino. Fica minha indignação

    1. Alex disse:

      Essa não dá! Guilherme, deixa a política de fora desse assunto… Esse não é um post adequado pra campanha. Até por que se for assim, a polícia gerida pelo PSDB escoltou, mas seria justo então afirmar que a polícia gerida pelo PT quem matou o cidadão? Acho que não… Infeliz esse seu comentário.

      1. Jeso Carneiro disse:

        Alex, o viés político que querem dar à questão é de gente mal intencionada.

  • Elen disse:

    Até entendo a compreensão que possa ter passado na mente do Policial, que o vigilante poderia estar comentendo um ato agressivo contra terceiros, e ele como policial, independente de estar em serviço ou não, tem obrigação de promover a segurança pública. Mas o que realmente não entendo, é o por quê de uma atitude tão letal, ou seja, ele a poucos metros de distância, não tinha outra opção de defender-se ou reagir? Precisava ser dois tiros a queima roupa? Não havia a opção de dar tiros de advertência ou até um tiro que o imobilizasse sem matá-lo? A primeira opção sempre é dar logo dois tiros fatais no peito e depois procurar saber o que acontecia de fato?
    Não sou da área de segurança, por isso essas dúvidas pairam em meu pensamento. Pois como supõe-se, um policial preparado, treinado, sabe discenir entre um tiro que pode advertir o suposto criminoso ou matá-lo.
    Agora outra situação é a proteção da Polícia Militar dada ao policial no caminho para e no aeroporto. Isso não tem justificativa nenhuma que se compreenda. O que realmente me parece é um corporativismo dos membros da segurança pública (Polícias) que infelizmente decepciona a comunidade santarena. Isso é lamentável! Pois acredito que se a situação fosse ao contrário, se o vigilante tivesse matado o policial, este sim estaria preso, sem nenhuma proteção.
    Não quero aqui igualar a situação, mas é inadmissível que seja desrespeitada a nossa Constituição, aonde determina que todos os cidadãos tenham direitos iguais.

  • Ana Lima disse:

    O CARA AGIU COMO UM PISTOLEIRO. A FRASE QUE ELE ESCREVEU NA REDE SOCIAL É DE ALGUEM QUE CUMPRIU UMA MISSÃO.
    nÃO DEIXEMOS ISSO IMPUNE GENTE.

    1. revoltada disse:

      o que ele escreveu?

  • João Silva - Santareno e Tapajônico disse:

    Caro policial, você só analisou com relação a um lado: do policial. Seu colega também policial subsundiu o Art. 121 do CP. Se foi legítima defesa própria, de terceiros ou putativa, não cabe análise no âmbito da polícia judiciária: Delegado de Polícia. Isso é tese de defesa e, portanto, é analisada na fase judicial, com o contraditório e ampla defesa. Como se trata de crime doloso contra a vida, é de competência do Tribunal do Júri Popular. Se o autor for encontrado nas circunstâncias previstas no Art. 302 do CPP (flagrante delito), deveria ele ter sido apresentado à autoridade policial e esta ter lavrado o respectivo auto de prisão em flagrante delito e comunicado imediatamente ao juiz de direito, que é autoridade competente para verificar se o policial poderia ter sido beneficiado pelo instituto da liberdade provisória ou outra medida cautelar prevista no Art. 319 do CPP, ou, em ultima ratio, ser convertida em prisão preventiva.

    O absurdo é que a Polícia Militar do Estado deu suporte para o PRF, inclusive transgredindo disciplinarmente a legislação militar ao fornecer fardamento ao policial rodoviário para sair da cidade (distrito da culpa).

    Perdoe-me, mas se fosse você, que disse proceder da mesma forma, que matasse um vigilante ou qualquer outra pessoa em São Paulo, duvido, e muito, que você recebesse o mesmo tratamento dispensado ao seu colega de polícia. Certamente você estaria preso e com pouca comunicação com seus familiares em Santarém. Ficaria lá por muito tempo. Seu cargo em risco de ser perdido por demissão junto à sua corregedoria. Além de responsabildiade civil de ressarcimento aos familiares da vítima.

    Esse policial matou um santareno. Deveria ele permanecer nesta cidade para responder pelo crime. Deveria a situação dele ser analisada por um juiz de direito. Não é atribuição das polícias civil, militar e rodoviária federal, decidir sobre o destino de seus membros
    Caro policial, você só analisou com relação a um lado: do policial. Seu colega também policial subsundiu o Art. 121 do CP. Se foi legítima defesa própria, de terceiros ou putativa, não cabe análise no âmbito da polícia judiciária: Delegado de Polícia. Isso é tese de defesa e, portanto, é analisada na fase judicial, com o contraditório e ampla defesa. Como se trata de crime doloso contra a vida, é de competência do Tribunal do Júri Popular. Se o autor for encontrado nas circunstâncias previstas no Art. 302 do CPP (flagrante delito), deveria ele ter sido apresentado à autoridade policial e esta ter lavrado o respectivo auto de prisão em flagrante delito e comunicado imediatamente ao juiz de direito, que é autoridade competente para verificar se o policial poderia ter sido beneficiado pelo instituto da liberdade provisória ou outra medida cautelar prevista no Art. 319 do CPP, ou, em ultima ratio, ser convertida em prisão preventiva.

    O absurdo é que a Polícia Militar do Estado deu suporte para o PRF, inclusive transgredindo disciplinarmente a legislação militar ao fornecer fardamento ao policial rodoviário para sair da cidade (distrito da culpa).

    Perdoe-me, mas se fosse você, que disse proceder da mesma forma, que matasse um vigilante ou qualquer outra pessoa em São Paulo, duvido, e muito, que você recebesse o mesmo tratamento dispensado ao seu colega de polícia. Certamente você estaria preso e com pouca comunicação com seus familiares em Santarém. Ficaria lá por muito tempo. Seu cargo em risco de ser perdido por demissão junto à sua corregedoria. Além de responsabildiade civil de ressarcimento aos familiares da vítima.

    Esse policial matou um santareno. Deveria ele permanecer nesta cidade para responder pelo crime. Deveria a situação dele ser analisada por um juiz de direito. Não é atribuição das polícias civil, militar e rodoviária federal, decidir sobre o destino de seus membros

  • Emanuel Santos disse:

    Hitamar, a sua explicação segue a logica fria da legislação. OK. Mas ainda assim eu lhe pergunto. Havia nesse caso a necessidade de atirar para matar???

  • OTAVIO disse:

    Jeso, até agora não me respondeu o que esse policial estava fazendo aqui ? ele tinha familia aqui ? aonde ele estava hospedado ? fizeram pericia na arma encontrada ? tinha as digitais do morto ? são respostas que não querem calar. por favor, pergunte pro perito e juiz de Direito Hitamar.
    O hitamar precisa sair daqui de Santarem para fazer cursos e ve a realidade la fora, ele até parece que não ve nem televisão, não podemos julgar ninguem sem antes ter laudos periais, provas e um investigação completa. Se atualize, Hitamar, não decepcione seus colegas.

  • Jorge Pinheiro disse:

    Ei, Itamar, se fosse com alguem da sua familia aposto se vc falaria isso, despreparo total desse policial, pois executou a queima roupa o viagia, se ele era instrutor de tiro, poderia pelo menos atirar em outra parte nao mortal do corpo do rapaz, sempre assim…ou vcs acham que ele defenderia o vigia, e outra, quem viu as reportagens, ele estava o tempo todo rindo, nao se se foi do papelao q a policia fez por ter feito ele vestir uma farda da pm ou se foi da cara da populaçao e familiares da vitima, nem um pouco arrependido…

  • GEGE disse:

    Ainda assim precisa ser esclarecidos muitos pontos controversos.
    1 – Como policial preparado pq não atirou em pontos que neutralizassem a pessoa? mas ATIROU em pontos letais;
    2 – Será que ele portava arma mesmo? e se portava estava mesmo raspada?
    3 – Porque não houve nenhum disparo por parte do vigilante;
    4 – Cadê as pessoas que serviram de escudo?
    5 – Como explicar a mensagem do policial: ” A PAZ TA
    6 – Ele é mesmo PRF?
    7 – PQ A PM fez a escolta e não a PRF?
    8 – As ameças que o vigilante vinha sofrendo?
    9 – Teria sido armação?
    10 – Como ele conseguiu passagem em cima da hora? ou já esta marcada?

    E PELO QUE EU SAIBA A POLICIA DEVIA PREZAR PELA VIDA, ACHO SEU COMENTARIO UM TANTO CONTRADITÓRIO E NÃO CONDIZ COM AS NORMAS DA INSTITUIÇÃO. VC SE CONTADIZ: ENTRA PELA RAZÃO E FINALIZA NA EMOÇÃO, DEFENDENDO O COLEGA DE PROFISSÃO. CREIO QUE UM TIRO NO BRAÇO NEUTRALIZARIA O VIGILANTE, MAS DEIXARIA UMA TESTEMUNHA VIVA. TODA UNANIMIDADE É BURRA ; SE TODO POLICIAL FOSSE PREPARADO PARA USAR ARMAS NÃO TERIAMOS CENTENAS DE CASOS COMO ESTES, VEJA O CASO DO PUBLICITARIO EM SP. PRA CITAR UM. ASSIM COMO EM TODA PROFISSÃO TEM BANDIDOS NA POLICIA NÃO É DIFERENTE, E BANDIDO COM ARMA E FARDADO É MAIS PERIGOSO. E DIZER QUE VC TAMBÉM MATARIA ME DEIXA PREOCUPADO.

    1. leunam disse:

      VC ESTA CERTO SO TENHO QUE FALAR QUE SE E OU CONTARIO OU VIGILHANTE ESTAVA PRESO E SUA FOTO ESTA EM TODOS OS JORNAIS E NA INTERNET AGORA E POLICIAL TEM QUE LEVAR NO AVIÃO COM ESCOLTA E NAO PODE TIRAR FOTOS E UM ABSURDO REALMENTE SANTAREM NAO TEM LEI, NAO TEM ORDEM, NAO TEM NADA.

  • OTAVIO disse:

    Corretamente por que não era seu parente, e voce explica um crime que não foi periciado, não tem laudos conclusivos, e a arma será que era do trabalhador morto, será que não foi plantada para ficar como estar.
    Hitamar, conheço voce, acho que voce perdeu a oportunidade de ficar calado, até gostava de voce, mas, voce está errado, o policial está errado, não existe esplicação, e nem tam pouco um policial por poder andar armado tem o direito de sair matando os outros.
    agora, já que voce já explicou e julgou o crime, condenando o trabalhador morto, já condenado com sua morte: O que esse policial estava fazendo aqui em santarem, ele tem familia aqui? aonde ele estava hospedado? porque ele não se endentificou na hora, poderia ter dito, sou policial.
    é muito estranho essa morte, precisa ser investigada, antes mesmo do perito e juiz Hitamar condene. Mas eu continuo achando a nossa policia civil muito eficiente.

    1. EMERSON SANTOS disse:

      A questão de ser parente é uma outra situação, nos leva ao lado emocional, já pelo lado judicial tudo é bem diferente, as leis são falhas mas devem ser cumpridas, a culpa é de quem as criou há anos e anos e até hoje não mudou, não evoluiu, fazer o que ????

    2. Deusdete disse:

      O crime existiu, de homicídio, mas o PRF será alcançado por uma excludente de ilicitude, a ampla defesa.
      A versão exposta pelo Hitamar também foi dada por testemunhas que estavam no local.
      Esse David era acostumado a andar armado na cidade, inclusive de ameaçar as pessoas. agora ele arrumou pro dele.

      1. Dudu disse:

        isso isso isso isso
        pião que quer se aparecer e se passar por polícia acontece isso.
        se ele queria ser polícia, deveria estudar muioto e fazer um concorridíssimo concurso público.
        mas agora não dá mais tempo, já se foi, de tanto ser saliente…

  • Mestre dos Magos disse:

    Esse contrato da PMS com essa empresa de vijilancia deveria ser auditado, pois ta parecendo empresa de fundo de quintal.Pois senão vejamos: Como pode contratar uma firma de segurança com esse nível de preparo dos vigilantes?Atencao MP!!!

  • Marcelle Junker disse:

    Lamentável texto desse escrivão, já diz minha mãe “pimenta nos olhos de outros é refresco”, coloque-se senhor no lugar da família da vítima e pare de falar bobagem, e não tentem defender o que não tem defesa .

    Atte,
    Marcelle Junker

  • Eu disse:

    O caso do assassinato no mirante tá tendo atenção especial, realmente merece , mais tb é caso de policia o que a prefeita fez com a moradora do uruará.
    Jeso vc não falar nada sobre o caso?

  • João Renato Aires De Mendonça disse:

    Seguindo este raciocínio, está correto um policial sair de férias, fazer uma viagem, arrumar suas malas e colocar… 2 toalhas, umas 7 camisetas, uns 3 shorts ou bermudas, um par de jeans, escovas de dente e… uma pistola automática. É a mesma coisa que, também de férias, um arquiteto carregar seu esquadro, um professor carregar uma caixa de giz e apagador, um médico carregar seu bisturi e um kit cirurgia, um mecânico carregar seu conjunto de chaves conjugadas e um alicate universal, um fazendeiro carregar cordas de laço e ferro de marcar gado…. Francamente…! Que um policial use sua arma fora do expediente… tudo bem, mas em festas, passeios, férias, restaurantes… é o cúmulo, ridículo e até obsceno.

    1. eu disse:

      Jamais Sr. João Renato poderá comparar a profissão policial com as demais, pois, o policial PM, PC PF ou PRF é policial 24horas, mesmo estando de férias, folga, licença saúde, licença paternidade, ou seja, em qualquer situação o policial tem o DEVER de agir, por isso justifica o mesmo portar sua arma de fogo. Entenda que o Policial adquire inimigos a cada prisãoque raliza, ou, você acha que ele consegue amigos tirando a liberdade das pessoas? Você é bastante inteligente para entender. Um bom dia.

  • Nelson Vinencci disse:

    Escrivão Itamar, essa versão é a versão do policial assassino, que você está colocando, existem outras versões, inclusive que o vigilante não estava armado, coisa que você nem sequer levanta como hipótese no seu texo. Baseado na versão do assassino é fácil acusar o vigilante, ele está morto e não desferiu um tiro contra o Policial Rodoviário Federal. Acho louvável que você defenda a polícia, até pelo fato de você ser um policial, mas você sabe que poderiam ter pedido pelo menos 10 dias de prisão provisória para o PRF para que fosse concluído o inquérito policial, pois se fosse o vigilante que tivesse matado o policial, ele não estaria solto, é ou não é?

    1. alguèm disse:

      se esse vigilante ligasse para 190 e a PM f osse fezer a abordagem nada disso teria acontecido, fica de alerta pra quem usa arma sem procedenia amigo.

  • Antonio disse:

    Mais quer dizer que um policial pode matar alguem sem a devida defesa????? ele pode matar e os policiais sempre vão ter a razão, matam e fica por isso??????

  • anonimo disse:

    senhor escrivao eu conhecia o david e lhe garanto que ele nao era criminoso ele era um pai de familia trabalhador e foi morto se chance de defesa ponha se no lugar dos familiares e amigos e se fosse um irmao seu um amigo?

  • adelson sousa disse:

    Se os relatos são verdadeiros há dificuldade em contestar. É elogiável mas, mas,….. sempre cabe a desconfiança da população em ações dessa natureza.
    Como cidadão apresento alguns questionamentos.
    Apresento os questionamentos por que do jeito que está colocado no seu relato o criminoso é quem morreu e o policial um super herói.
    Esses seus relatos são com base apenas nos depoimentos do policial ou de testemunhas também??
    A ação da polícia civil foi tão rápida assim que você já chegou a uma conclusão detalhada do acontecimento, e dos encaminhamentos de todo o caso. Leitura e análise dos depoimentos? Do depoimento? Fundamentação com base na legislação? O acsso a esses documentos é assim tão fácil??
    O que esclarecer com referências aos relatos da viagem? fuga? magistral e com “conivência”? da polícia civil que deixou o “policial bem preparado”? seguir sua vida como nada de errado tivesse praticado? O procedimento policial correto nestes casos é este que foi realizado?
    Não há encaminhamento de procedimento judicial nestes casos??
    É prática normal pelo seu relato o policial “bem peparado” matar?
    Há histórico de delinquência praticado pela vítima?
    Houve cobertura para a saída de Santarém do PRF?
    É dever da polícia militar dar cobertura como fez no caso, se fez cobertura, para a viagem? fuga? do “bom policial”? Há detalhamento também com relação a esse trabalho feito pela PM?
    Por que e se houve mesmo uso de roupas da PM pelo “bom policial” para chegar ao aeroporto?
    Qual a situação do PRF?? Vai responder algum procedimento jurídico ou vai receber elogios por sua ação?

  • Pedro Gilson Oliveira disse:

    Já que devemos agir com razão e legalidade e não com e emoção
    Gostaria de perguntar ao escrivão se o PRF é tão preparado para agir e tem o DEVER, como ele conseguiu dar dois tiros no peito do CRIMINOSO (assim logo taxado pelo dito escrivão), deixando de atrevessar o peito do ESCUDO HUMANO? (o escrivão deve saber).
    Será que a bala é teleguiada para acertar CRIMINOSO?
    Agora querer dizer que pessoas antipatizam com a policia só agrava mais a situação.
    O que a policia fez foi a maior prova de CORPORATIVISMO já vista nesta cidade.
    Protegemos os nossos, para que saiam impunes. Afinal, criminosos são todos os outros sem farda.

  • Santareno imparcial disse:

    não podia ficar preso, é legítima defesa real.

  • Muito cuidado com as conclusões açodadas. Em tese o crime existiu e precisa ser apurado, primeiro na esfera policial, depois na judicial, observado o devido processo legal, com as garantias da ampla defesa. A competência é do Tribunal do Júri.

    Contudo achei muito estranha a saída do indiciado, camuflado de policial militar, conforme divulgado pela mídia.

    Espero q tudo se esclareça e que se faça JUSTIÇA!!!

  • Passa Régua disse:

    Hitamar, seu comentario é pertinente e, ate certo ponto, esclarecedor, mas o que voce deixa transparecer, é o inequivoco senso de corporativismo da policia. Além do fato em si, que já bastante agressivo, sem entrar na discussão do mérito, é a postura que a policia militar tanto quanto a policia civil e a policia rodoviaria federal trataram o caso. Esse policial, ao meu ver, como leigo no assunto – não sou policial, nem advogado, deveria sim ter sua integridade fisica e moral preservados, mas deveria pelo menos continuar na cidade, a disposição das autoridades que acompanham o caso e que tentam elucidar o que aconteceu. O que chocou ainda mais a população, que viu com estarrecimento o que se sucedeu, foi o fato da policia miliatar criar todo aquele aparato para dar condição de deslocamento daquele rapaz, coisa que não se vê em outros casos, onde as vezes ate se expoe um acusado para execração publica, basta, para constatar isso, acompanhar as equipes de reportagem na delegacia, que fazem o que querem com os acusados de crimes, sob a tutela da mesma policia que fez o que fez para o referido policial. Quer saber…

    Passa Régua

  • Manuel Dutra disse:

    Isso tudo pra dizer que o policial paulista agiu corretamente? É a regra do velho oeste, do atira primeiro e pegunta depois? Responda: por que a pressa em liberar o assassino? Por que dar a ele uma farda da PM para se disfarçar? Ele não teria que responder pelo crime em Santarém? Tudo que está dito nesse post é a versão do policial paulista, já que morto não fala, né?

  • Borarí disse:

    Hitamar,
    eu não concordo com duas coisas que você falou. Você fala que pessoas não tiveram competencia pra engressar no quadro policial. Não é falta de competencia não: O PROBLEMA É QUE ATÉ UM PICOLEZEIRO GANHA MAIS QUE POLICA CIVIL. Outra coisa, se no lugar da vítima, fosse teu pai, teu irmão ou um filho seu, tua opinião era outra.

    1. oculista disse:

      Verdade? policial ganha mal, muito mal, é isso?? e porque temos tanta gente fazendo concurso pra policia Civil?? será que vender picolé não seria mais fácil, so precisa da geleira e ir pra rua, mas pra ser policial civil meu amigo,( que deve ter feito este concurso) tem que passar por um crivo imenso, concurso, provas, academia, anos de estágio e todo santo dia, dedicar a vida própria em prol da população. neste contexto, a vida, realmente ganha-se muito menos que um picolezeiro, que não precisa se arriscar e nem pensar em niguem.

    2. Hitamar Santos disse:

      Primeiro companheiro, obrigado por se atentar aos meus comentários.
      Segundo, acho que escrevi ingressar (de entrar), e não ‘engressar’, com você escreveu.
      Legal se todas as profissões, sem discriminação, ganhassem o suficiente quanto ganha um policial civil. Quando fiz concurso e ingressei na gloriosa Polícia Civil do Estado do Pará, sabia quanto iria ganhar e as condições de trabalho para defender a sociedade, que muitas das vezes não reconhece o mínimo que o policial faz por sua segurança.
      Borari, o policial correto tem que ser imparcial em sua postura no combate ao crime. O que citei quando ao rapaz que morreu, foi que ele portava, naquele momento, uma arma ilegal com numeração de série raspada, que é crime previsto na lei 10.826/03.
      Finalmente, disponha para qualquer outro esclarecimento sobre meus comentários.

  • Percival Dias disse:

    Olha aí . Essa sim é a versão oficial dessa ação. E até mesmo a prefeitura acabou por anunciar que o cidadão morto nao podia utilizar arma de fogo. Agora andar com arma de fogo, numeração raspada , sem qualquer identificação ?
    Vamos ensinar a população que a gente deve agir com perícia e não ir pelo calor da emoção. O criminoso não foi o policial rodoviário federal e sim o elemento que fazia serviços de vigilante.
    Eu num comentário anterior fiquei ao lado da “vítima” . Mas com a versão oficial mudou meu parecer .
    Parabens ao policial que demonstrou muito preparo acertando os disparos mesmo com o elemento fazendo um adolescente de escudo.
    Que a família do cidadão morto me perdoe , mas a justiça foi feita.

    1. EMERSON SANTOS disse:

      O que falta é saber o que realmente aconteceu, cadê as testemunhas ? a pessoa que foi feita de escudo, mas o grande erro foi de quem contratou esta empresa, e da empresa que utiliza pessoas totalmente despreparadas para exercer a função de segurança, o que é comum em Santarém, o que deveria acontecer é uma fiscalização nestas empresas e um preparo bem rígido para estes profissionais, usar arma não é para quem quer, é para quem sabe manusear e tem autorização para isso, tem segurança aqui na cidade que se acha no direito de espancar, humilhar fazer o que quer, totalmente despreparado, penso que contratam pelo tamanho e pela quantidade de músculos e esquecem que o cérebro é essencial.

  • Santarem disse:

    A vergonha foi a palhaçada da polícia militar de “fantasiar” o matador de são paulo de PM, ainda mais, do tático e fazer ele sair escondido de Santarém. Está explicado porque a nossa polícia é uma das piores do mundo.

  • José Colares disse:

    Caro escrivão uma versão lógica dos fatos, quando se houve apenas um lado, pois o outro escafedeu-se. Creio sem querer acreditar que vc está sendo sincero nas suas declarações.

  • Marta Cunha disse:

    Então Hitamar é correto qualquer policial sair matando em “defesa” do povo?? hahaha boa piada..

    Polícia sempre defende polícia!

  • revoltada disse:

    O Policial Federal também não estava fardado, não estava identificado, no momento do crime ele não sabia que a arma do vigilante estava raspada(se estava mesmo, como falam), ele não sabia que o vigilante não tinha porte legal de arma, nem ao menos tentou entender o que estava acontecendo, simplesmente atirou, ACHANDO ISSO OU AQUILO, pelo amor de Deus, não tentem menosprezar nossa inteligencia, nosso raciocinio, pois aqui voces querem dizer que o criminoso foi o que morreu(o vigilante), e o Policial federal é um HEROI.
    MANDEM FAZER UM MURAL E DÃO HONRA AO MERITO A ELE(Policial Federal), JÁ QUE ELE É DA QUALIDADE DE VOCES!!!!!!!!!!!!!!

    1. anonimo disse:

      eu concordo com você!!!!

      1. Ana Lima disse:

        concordo

        1. Povão disse:

          Concordo com vc! infelizmente temos colegas despreparados e pior pessoas que deverião defender a populaço e buscar por justiça, abre a boca pra falar asneira e querer substimar a inteligência do povo!

    2. Neutro disse:

      Olhando do outro lado:
      Policial federal não precisa andar fardado!
      Ele não tinha que perguntar se a arma era registrada ou não!
      O Vigilante não estava identificado e também não pode andar armado.
      Alguém armado abordando duas pessoas pode ser um bandido?
      E ate onde conheço e dever legal de um policial dar voz de prisão a quem quer que seja quando auguem empunha uma arma de fogo
      Lamento pelo cidadão e pai de família que ele representava, mais infelizmente ele desconheceu as regras no momento da abordagem.

      Não sou policial e nem mesmo o defendendo apenas estou fazendo um questionamento, pois temos mania de julgar influenciados por outros sem conhecer os fatos

      1. abraao disse:

        é isso aí! vc é uma pessoa q tem visão e não se deixa influenciar pela mídia!

  • Ana disse:

    Concordo plenamente!
    Foi esse o meu raciocínio.

  • Marcelo paz disse:

    Assuma escrivão o policial nesse CASAO FOI TOTALMENTE MAL PREPARADO, UM ERRO NÃO JUSTIFICA O OUTRO.