Jornalista alvo de injúria decide levar caso à Justiça após ser ouvida por delegado de polícia
Marina Bandeira e Wander Luís: agressão verbal vai agora para Justiça. Foto montagem: BJ

A jornalista Marina Bandeira, que acusa o também jornalista Wander Luís de injúria, decidiu levar o caso para Justiça após os 2 serem ouvidos pelo delegado Nelson Silva, na 16ª Seccional de Polícia Civil do Pará em Santarém nesta quarta-feira (28).

A tentativa de conciliação entre as partes não foi exitosa. Marina preferiu levar o seu suposto agressor ao Juizado Especial Criminal, segundo nota de solidariedade a ela, emitida pela Sinjor-PA (Sindicato dos Jornalistas do Pará).

 

O caso foi divulgado pelo BJ na manhã de ontem (28). E teve enorme repercussão também nas redes sociais.

Maria e Wander trabalham na TV Guarany, afiliada da Record em Santarém.

“Casos como estes não podem ficar impunes, especialmente em um momento em que o mundo clama por respeito às mulheres”, diz a nota do Sinjor-PA.

Leia a íntegra:

NOTA DE SOLIDARIEDADE

A Diretoria Regional do Tapajós (DRTap) do Sindicato dos Jornalistas do Estado do Pará (Sinjor-PA) se solidariza e acompanha o caso da jornalista Marina Bandeira, por ter sofrido injúria (palavras ofensivas) pelo colega radialista Wander Luís, durante o exercício de suas funções. Em audiência na manhã desta quarta-feira (28), na 16ª Seccional de Polícia Civil, situada em Santarém-PA, os relatos dos dois e de uma testemunha foram ouvidos pelo delegado Nelson Silva.

O delegado dialogou com as partes envolvidas e encaminhou o caso ao Juizado Especial Criminal, após tentativa, sem sucesso, de conciliação, uma vez que a jornalista ofendida optou pelo prosseguimento das providências cabíveis.

Foi lavrado um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), que será encaminhado ao Juizado Especial Criminal, junto com os depoimentos das partes e testemunha.

O fato ocorreu no domingo, 25 de julho, em ambiente de trabalho, no estúdio da emissora onde os dois profissionais atuam, após a jornalista, segundo a testemunha, ter esbarrado acidentalmente com a mochila no colega.

A diretora geral da DRTap/Sinjor-PA, Alciane Ayres, presenciou o relato da jornalista e a confissão do radialista, na presença do delegado, de ter proferido as palavras ofensivas contra a colega.

A DRTap/Sinjor-PA fará o acompanhamento da situação junto aos órgãos judiciais e desde já repudia qualquer atitude desta natureza, independente do agressor(a) ser ou não filiado(a) e de ser em ambiente de trabalho ou fora dele. Casos como estes não podem ficar impunes, especialmente em um momento em que o mundo clama por respeito às mulheres.

Santarém, Pará, 28 de julho de 2021

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *