Justiça acata denúncia contra líder do governo na Câmara por violar sigilo do voto
Erasmo Maia, líder do governo na Câmara de Santarém: acusado de crime eleitoral na Justiça. Foto: Reprodução/CMS

A Justiça Eleitoral acatou denúncia (representação) contra Erasmo Maia (DEM), líder do governo na Câmara de Vereadores de Santarém (PA), por suposto crime de violação do sigilo do voto.

A AIJE (Ação de Investigação Judicial Eleitoral), que tramita na 83ª ZE (Zona Eleitoral), foi ajuizada em novembro do ano passado pela coligação liderada pelo PT na campanha eleitoral de 2020.

— LEIA também: Banca de advocacia contratada por prefeito de Mojuí vira alvo de investigação do MP.

 

O juiz eleitoral Flávio Lauande foi quem acatou a AIJE, na semana passada (dia 28).

“Recebo a peça exordial [representação] e determino a NOTIFICAÇÃO dos representados para apresentarem defesa no prazo de 5 dias, conforme dispõe o art. 22, I, da LC 64/90“, despachou o magistrado.

“Findo o prazo da notificação, com ou sem defesa, desde logo determino à Secretaria [da 83ª ZE] que designe data para inquirição, em uma só assentada, de todas as testemunhas arroladas pelo representante e pelos representados, até o máximo de 6 (seis) para cada um, as quais comparecerão independentemente de intimação”, ressaltou.

Além de Erasmo Maia, estão arrolados na ação Jacilene de Sousa, Nélio Aguiar (DEM) e José Maria Tapajós (PL), respectivamente prefeito e vice-prefeitos eleitos.

A defesa dos 3 políticos, feita pelo advogado José Olivar de Azevedo, nega as acusações. Para o também chefe da Procuradoria Fiscal de Santarém, os seus clientes “são partes alheias aos fatos narrados na inicial [da AIJE], considerando que o ato de eventual quebra do sigilo a que se refere o vídeo foi feito isoladamente e unilateralmente pela senhora nominada como Jacilene de Souza”.

O crime denunciado à Justiça

De acordo com a denúncia à Justiça Eleitoral, Jacilene de Sousa quebrou o sigilo de seu voto na eleição de 2020 em Santarém, tendo gravado vídeo do voto através de celular. O objetivo seria comprovar aos beneficiários do voto, Erasmo Maia, o prefeito e o vice eleitos, em que ela teria votado.

“Auferindo possivelmente vantagem ilícita/indevida pela venda de seu voto. Apesar da qualidade da gravação, é indiscutível o voto [nos beneficiários], assim como a quebra do sigilo na cabine de votação, pois, percebe-se suas imagens impressas em papel e na urna eletrônica, no ato da votação”, detalha a parte denunciante.

“A conduta é grave, prevista em lei como irregular, apta, se confirmada a compra de voto ao longo da instrução processual, à cassação do registro dos beneficiários, o que merece especial atenção desse d. juízo e apuração exemplar”.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Justiça acata denúncia contra líder do governo na Câmara por violar sigilo do voto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Manuel disse:

    A eleitora vai alegar que estava seguindo os conselhos do Bozo, que vive duvidando da urna eletrônica.