Justiça Federal rejeita recurso e condenação de prefeito de Ourilândia é mantida
Dr. Veloso, prefeito de Ourilândia do Norte

A Justiça Federal manteve a suspensão dos direitos políticos por 3 anos de Romildo Veloso e Silva, o Dr. Veloso, prefeito de Ourilândia do Norte (PA), ao rejeitar recurso ajuizado pela defesa do político contra a sua condenação, proferida em março deste ano.

O recurso (embargos de declaração) foi rejeitado pelo juiz federal Felipe Bouzada Flores Viana, da Vara Federal de Redenção.

 

Além dos direitos políticos suspensos, Dr. Veloso foi multado em R$ 20 mil e proibido de contratar e receber benefícios fiscais do poder público (direta ou indiretamente) por 3 anos.

Francival Cassiano de Rego, também ex-prefeito de Ourilândia de Norte e réu na mesma ação de improbidade administrativa, recebeu as mesmas penalidades.

Os dois ainda podem recorrer da decisão junto ao TRF1 (Tribunal Regional Federal), da 1ª Região, em Brasília (DF).

O esquema criminoso

Segundo o MPF (Ministério Público Federal), autor da ação, Dr. Veloso e Francival participaram do esquema criminoso de desvio de recursos públicos, mediante processos licitatórios fraudulentos conhecido nacionalmente como ‘máfia das sanguessugas’. A quadrilha agiu em diversos municípios do país entre os anos 2000 e 2006, quando foi deflagrada a operação Sanguessuga.

Em Ourilândia, o esquema envolvia emendas parlamentares dos deputados federais Renildo Leal e Raimundo Santos, lideradas via Ministério da Saúde, para compra de ambulâncias por meio de licitações fraudadas.

 

”O que se sobressai dos autos é que agindo como agiu, [Dr. Veloso] dolosamente violou os princípios da legalidade e da moralidade ao não observar as disposições legais necessárias a realização de compras pela administração pública, frustrando a licitudes dos procedimentos licitatórios”, ressaltou o magistrado na sua sentença condenatória de 24 páginas.

Dr. Veloso exerce o segundo mandato. O primeiro foi de 2009 a 2012. Voltou a ser eleito em 2016.

LEIA também: Odontólogo santareno que preside CRO Pará é afastado do cargo por suposto ato de improbidade

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

2 Comentários em: Justiça Federal rejeita recurso e condenação de prefeito de Ourilândia é mantida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Igor disse:

    Qual o nº do processo?

  • Laurecy de Jesus Santana Souza disse:

    Cada dia que passa, fica mais difícil confiar na política do país, o nosso tao rico país, está afundando cada vez mais. Só Deus mesmo para agir nessas causas. Quem dera que os nossos governantes das três esferas: federal, estadual e municipal fossem como José do Egito