Réu da Madeira Limpa vai continuar com tornozeleira, decide juiz federal, Tornozeleira
A decisão é desfavorável a Andre Suleiman

O juiz Érico Pinheiro, da 2ª Vara Federal em Santarém, indeferiu o pedido da defesa de André Suleiman, um dos réus da Madeira Limpa na Justiça, para que fosse revogasse a decisão que o obrigou a usar tornozeleira eletrônica desde que deixou a prisão.

A decisão foi proferida na sexta-feira, 14.

“O réu não apresenta fatos novos aptos a ensejar o posicionamento do juízo quanto à necessidade da medida [retirada da tornozeleira]”, justificou o magistrado.

“O acusado permaneceu foragido por considerável período quando vigente a ordem de sua prisão preventiva, razão pela qual a medida imposta é essencial para se assegurar a aplicação da lei penal.”

André Suleiman é um dos poucos réus que tem seus passos monitorados 24h pela Justiça por conta da tornozeleira.

A operação Madeira Limpa foi deflagrada em agosto de 2015, pela Polícia Federal, numa ação conjunta com o MPF (Ministério Público Federal).

Os envolvidos são acusados de 9 crimes: estelionato, falsidade ideológica, receptação ilegal, corrupção passiva e ativa, apresentação de documentos falsos, violação de sigilo profissional, advocacia administrativa e crimes ambientais.

Leia também:
Justiça nega retirada da tornozeleira do chefe da quadrilha da Madeira Limpa

  • 1
    Share

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Réu da Madeira Limpa vai continuar com tornozeleira, decide juiz federal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Leitor disse:

    Esta operação chamada madeira limpa foi montada e articulada por menbros do PT para desviar o foco de seus crimes cometidos dentro de órgãos públicos e no meio empresarial durante 13 anos.
    Prenderam pessoas sem o mínimo de prudencia em apresentar provas concretas ou indicios que ligassem os fatos narrados pelo MPF que por estar aparelhado pela esquerda comunista quis se auto proteger de seus erros e crimes criando bodes espiatórios.
    Os empresários parceiros do PT em corrupção nem se quer foram lembrados pelo MPF embora eles sabiam quem eram os criminosos e os deixaram de fora. resumindo esta operação criada por membros da esquerda em Santarém apurou o embarque de 2 a 3 cargas de madeira ilegal esquentada com notas frias que compradas de empresas ligadas ao próprio PT. Fato é que essa justiça ai faz vistas grossas para muitos crimes cometidos pelo PT na região e ainda aproveita a onda da ex presidanta impitimada em 2015 para surfar um pseudo aroma de institucionalidade e justiça.