Publicado em por em Justiça, Política

A PF apontou que o presidente cometeu crime de violação de sigilo

STF autoriza envio de provas contra Bolsonaro para investigação sobre milícias digitais
Alexandre de Moraes: ministro do STF

Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes autorizou o compartilhamento de provas produzidas contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) e aliados próximos dele com uma investigação que apura a existência de uma milícia digital com objetivo de atacar as instituições democráticas.

Essas provas, segundo O Globo, foram produzidas pela Polícia Federal dentro do inquérito sobre a divulgação de documentos sigilosos por parte de Bolsonaro.

Ao concluir a investigação, a PF apontou que o presidente cometeu crime de violação de sigilo pelo vazamento indevido dos documentos, referentes a uma apuração sobre ataque hacker ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Mas não apenas isso: a PF disse que a conduta de Bolsonaro se assemelhava à atuação das milícias digitais que divulgam informações falsas para atacar a democracia, por isso pediu o compartilhamento de dados com o outro inquérito.

— LEIA: Demissão dos procuradores: MP pede mudança na lista entregue à Justiça; veja quem entra e sai

A decisão do ministro não deixa claro se Bolsonaro também passará a ser investigado no inquérito das milícias digitais. Caberá à Polícia Federal, que conduz o caso, definir diligências a respeito do assunto.

“Verifico a pertinência do requerimento da autoridade policial, notadamente em razão da identidade de agentes investigados nestes autos e da semelhança do modus operandi das condutas aqui analisadas”, escreveu Moraes.

Moraes também autorizou o envio da quebra de sigilo telemático (de dados de celulares e aparelhos eletrônicos) do ajudante de ordens do Palácio do Planalto, o tenente-coronel Mauro Barbosa Cid, com um inquérito sobre a divulgação de informações falsas por parte de Bolsonaro relacionando a vacina contra a covid-19 com infecção pelo vírus da HIV.

Com informações de O Globo


Publicado por:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.