Clarice Lispector, 103 anos: gloriosa escritora de estilo inconfundível. Por Regiane Pimentel

Publicado em por em Arte, Memória, Opinião

Clarice Lispector, 103 anos: gloriosa escritora de estilo inconfundível. Por Regiane Pimentel
Clarice Lispector tinha 1 ano e 3 meses quando chegou ao Brasil. Foto: Reprodução

Hoje (10) é o aniversário de Clarice Lispector, se estivesse viva completaria 103 anos.

Dia 9 de dezembro de 1977, um dia antes de seu aniversário, uma das maiores escritoras que o Brasil já teve nos deixava. Sua família desembarcou no Brasil em 1922 no porto de Maceió/Alagoas, fugiam da Guerra Civil Russa e da perseguição contra os judeus. Nessa época, Clarice tinha apenas 1 ano e 3 meses de idade.

A autora passou boa parte da infância em Recife, e sua vida adulta foi toda vivida no Rio de Janeiro. Agora uma curiosidade: Clarice Lispector era botafoguense, também foi uma escolhida, assim como essa pessoa que escreve esse artigo e também como o editor-chefe deste blog.

Aquela máxima que acompanha o Glorioso e seus torcedores se encaixa perfeitamente aqui: “têm coisas que só acontecem com o Botafogo” e dessa vez podemos dizer que é algo sublime, como a trajetória do time que teve Garrincha vestindo a camisa alvinegra.

Clarice Lispector (1920-1977) foi um dos maiores nomes da literatura brasileira do século XX. A figura do feminino em suas obras é muito presente e leva o leitor a se colocar em situações empáticas quanto às personagens.

Conhecida como uma das melhores escritoras brasileiras, Clarice escreveu romances, contos, crônicas e literatura infantil. De personalidade singular e forte, pouco se importava com as críticas.

A escritora se naturalizou brasileira e se declarava pernambucana. Foto: Reprodução

O estilo de Clarice Lispector é inconfundível. Suas personagens, geralmente mulheres, vivenciam situações cotidianas e, na banalidade do dia a dia, passam por diversos conflitos internos. Conhecido como intimista, ela foi criadora desse estilo.

A escritora foi naturalizada brasileira e se declarava pernambucana.

Clarice teve, portanto, também um papel fundamental para desconstruir preconceitos e ampliar o horizonte para tantas outras mulheres na literatura.

Enfrentou o machismo de todas as formas possíveis em sua vida pessoal e na literatura. Deixou um bela obra para a humanidade, principalmente para as mulheres.

Regiane Pimentel

É bacharel em Direito, feminista e ativista social. Reside em Santarém (PA). Pode ser vista no…

— O JC também está no Telegram. E temos ainda canal do WhatsAPP. Siga-nos e leia notícias, veja vídeos e muito mais.


Publicado por:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *