O porquê de não retornar às aulas em meio à pandemia. Por Wildson Queiroz

Sou professor há 12 anos em escola pública e conheço as dificuldades que diretores, professores e demais servidores enfrentam para desempenhar suas funções de modo satisfatório.

Nestes tempos de pandemia da covid-19, a escola foi atingida em cheio, as aulas foram paralisadas, e não podia ser diferente, as escolas, em especial as públicas, não tem a mínima condição de funcionar em segurança.

Wildson Queiroz *

A maioria das escolas não tem pessoal de limpeza em número suficiente, para higienizar o ambiente escolar. Conheço escolas que até gratificam voluntários que se prontificam em ajudar, além disso, falta o básico — detergente, água sanitária, sabão em pó, vassouras, rodos e até papel higiênico, por isso é tão comum a realização de gincanas para arrecadar material de limpeza.

Banheiros e bebedouros são de uso coletivo, não há como higienizar um banheiro a cada 30 minutos, faltam servidores e material. Os copos disponibilizados nos bebedouros são utilizados por todos, com raras exceções, alunos levam sua própria garrafa de água ou copo.

As salas não têm a mínima estrutura para manter alunos com uma distância segura, as carteiras são amontoadas em espaços inadequados. Uma turma de ensino médio só é autorizada a funcionar se tiver no mínimo 40 alunos matriculados. Conheço turmas com até 50. Como um professor vai passar atividades e corrigir no caderno sem manter contato com os alunos? Impossível!

 

Quantidade significativa de alunos, professores e servidores se enquadram no grupo de risco, hipertensão e diabetes por exemplo, e sabemos que não há leitos, unidades de enfermaria ou hospitais suficientes para atender uma possível nova onda de contaminação.

Até o momento, o governo, tanto estadual quanto federal, ainda não se comprometeu com nenhuma ação concreta de controle da pandemia na escola (aferição de temperatura, distribuição de máscaras e álcool). É claro que todos nós queremos retornar, mas é preciso garantir um ambiente de trabalho seguro aos servidores e alunos.

Na França, uma semana após reabrir as escolas, 70 foram fechadas por precaução após a confirmação de novos infectados em 7 escolas. No Pará, o governo prevê um retorno gradativo a partir de julho, mas ainda não apresentou propostas viáveis para solucionar ou minimizar os problemas apresentados acima.


— * Wildson Queiroz é pedagogo, historiador e escreve regularmente neste blog.

LEIA também de Wildson Queiroz:

Há 20 anos era publicada a minha primeira reportagem.

Elza Queiroz: a mais bela santarena de seu tempo.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: O porquê de não retornar às aulas em meio à pandemia. Por Wildson Queiroz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *