Meia volta, volver: Helder veta lei das fake news sancionada por ele nesta 6ª

Na tarde desta sexta-feira (8), o governador do Pará, Helder barbalho (MDB), vetou “integralmente” o projeto de lei, de iniciativa da Alepa (Assembleia Legislativa do Pará), sobre a criminalização de fake news no âmbito do estado.

A lei foi sancionada pelo governador e publicada na edição de hoje do DOE (Diário Oficial do Estado). A matéria é de autoria dos deputados Igor Normando (Podemos) e Dilvanda Faro (PT).

 

A publicação da lei, sancionada, segundo Helder Barbalho, ocorreu por conta de “um equívoco”.

“Ocorre que o texto não discerne corretamente as esferas de responsabilização penal, de competência da União, e administrativa, competência da União, Estados e Municípios, implicando, assim, em vício forma [sic] e material de inconstitucionalidade.”, justificou o governador.

Eis a íntegra da mensagem que Helder já encaminhou ao presidente da Alepa, deputado Daniel Santos, sobre o veto.

A lei sancionada por Helder

LEIA também: Justiça fixa competência federal para apurar naufrágio do Anna Karoline

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

4 Comentários em: Meia volta, volver: Helder veta lei das fake news sancionada por ele nesta 6ª

  • Insegurança generalizada
    Em época de pandemia estão confundindo “lockdown” com “luftal”. Resultado: uma ininteligível enxurrada normativa, verdadeira diarreia legislativa. rsrs…

  • Acertada a decisão do governador. O projeto de lei não esclarecia como ocorreria a responsabilização de eventual infrator, sendo que pela via da responsabilização criminal, o projeto, caso sancionado, seria inconstitucional.

    Em que pese o caráter negativo e inaceitável de notícias falsas, especialmente as que causam pânico na população – ainda mais em tempos de pandemia – as “Fake News” só são consideradas crimes caso o conteúdo ofenda a honra de alguém, com o devido enquadramento da conduta aos crimes de difamação, injúria e/ou calúnia.

    Recentemente o Congresso Nacional criminalizou o uso de “fake news”, mas apenas quanto a situações referentes a processo eleitoral.

    Mas fora de situações envolvendo processos eleitorais, divulgar mensagem de conteúdo falso por si só, sem ofensa à honra de alguém, não é crime, sendo, como conhecido no meio jurídico, fato atípico.

    Conforme artigo 22, inciso I, da Constituição Federal, a competência para legislar sobre Direito Penal (criar crimes) é privativa da União Federal, cabendo, portanto, ao Congresso Nacional aprovar essa matéria, com a consequente sanção do Presidente da República.

    Os Estados da Federação até podem legislar sobre Direito Penal, desde que autorizados pela União Federal mediante Lei Complementar, e caso a regulamentação seja sobre fatos específicos de interesse local do Estado, conforme parágrafo único do artigo 22 da Constituição.

    Além disso, é norma constitucional que determinado crime e sua pena devam ser instituídos por lei formal, ou seja, um crime não pode ser criado por Decreto, Portaria, Medida Provisória, etc. Assim também como um crime não pode ser criado por uma lei, e sua pena ser instituída por Decreto ou Portaria, por exemplo.

    O projeto de lei vetado, caso objetivasse tornar crime as “fake news”, era na verdade uma tamanha aberração jurídica.

    Isso porque além do Estado não ser competente para legislar sobre a matéria, não se poderia criar um crime por uma lei, e instituir sua pena em momento posterior por Decreto, como assim dispunha o artigo 2º do projeto de lei vetado pelo governador. Seria um erro jurídico em dose dupla.

    Talvez a ideia do projeto era de se responsabilizar o criador ou transmissor de “Fake News” pelas vias administrativa e/ou cível com multa ou outras medidas, o que também poderia ser muito questionado por tantos e outros argumentos jurídicos, já que se mostra algo inovador. Mas, de certo, o combate pela esfera criminal seria incabível.

  • Kkkk, qualquer aluno de primeiro ano de Direito sabe que este assunto não é de competência do Estado, e sim da União. kkkkkk
    Faltou assessoria jurídica

  • O Estado não tem competência para legislar matéria penal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *