Brasil volta ao topo do ranking mundial de taxa de juros reais

Publicado em por em Internacional, Política

Brasil volta ao topo do ranking mundial de taxa de juros ao ultrapassar a Rússia
Banco Central do Brasil: responsável pela política monetária do país. Foto: Reprodução

O Brasil é o país com a maior taxa de juros ao ano, descontada a projeção de inflação, segundo o ranking mundial de juros reais compilado pelo portal MoneYou e pela gestora Infinity Asset Management. A lista tem 40 países, segundo a Folha de S. Paulo.

Até fevereiro deste ano, o país estava no topo do ranking, mas foi ultrapassado pela Rússia em março, após o forte aumento de juros no país em meio à Guerra da Ucrânia. Como o banco central russo cortou a taxa de 20% para 14% ao ano, o Brasil voltou ao topo da lista.

Além disso, o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central aumentou a taxa básica de 11,75% para 12,75% ao ano nesta quarta-feira (4), ajudando a consolidar a posição do Brasil.

Para chegar aos juros reais de 6,69% ao ano, é considerada a taxa do depósito interbancário (DI) de um ano, vencimento em maio de 2023, e a inflação projetada para os próximos 12 meses (5,91%) na pesquisa Focus do BC.

O segundo colocado no ranking é a Colômbia (juro real de 3,86% ao ano), seguida por México (3,59% ao ano), Indonésia (2,39% ao ano), Chile (1,84% ao ano) e Rússia (1,36% ao ano).

Em termos nominais, o Brasil está na quarta posição do ranking, atrás de Argentina (47% ao ano), Rússia (14% ao ano) e Turquia (14% ao ano).

“O Brasil reforça a 1ª colocação no ranking mundial de juros reais, ganhando o pódio desde a última reunião da Rússia, após a recente correção de juros e alta inflação, em meio à guerra com a Ucrânia”, dizem os responsáveis pelo levantamento.

Segundo os autores, o movimento global de políticas de aperto monetário continuou a ganhar força, com o aumento expressivo no número de BCs sinalizando preocupação com a inflação, em especial devido à guerra, aos recentes choques de oferta e perspectiva de alta nas commodities.

Entre 166 países, 67,47% mantiveram os juros, 30,12% elevaram e 2,41% cortaram. No ranking de 40 países, 55% mantiveram, 40% elevaram as taxas e 5% cortaram.​

Com informações da FSP


Publicado por:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.