Derrocada tucana no Pará à vista? Por Karol Cavalcante

Ao que parece, o PSDB ainda não conseguiu se recuperar da derrota eleitoral de 2018, quando perdeu o comando do Estado para o MDB de Hélder Barbalho.

De lá pra cá, os tucanos no parlamento estadual foram sugados pela doce tranquilidade de ser governo. Com cargos no governo de Hélder, não lideraram qualquer movimento de oposição, chegando ao cúmulo de assistir apáticos a ofensiva da AGE, que recomendou a prisão preventiva da sua principal liderança no Estado, o ex-governador Simão Jatene.

Karol Cavalcante *

Sem poder contar com a bancada do próprio partido na Alepa, coube ao próprio, de forma quase que solitária, fazer sua defesa pública.

A receita de Jatene em 2018, em perder com um candidato de fora do PSDB (Márcio Miranda, do DEM), parece ser a mesma adotada por Zenaldo Coutinho, que optou pelo jovem desconhecido Thiago Araújo (Cidadania) com baixa viabilidade eleitoral para ser o candidato a sucessão da máquina tucana em Belém.

Como em qualquer partido, são muitos os sinais de não aceite e as promessas de rebeliões internas. Os “rebelados internos” seriam aliados de primeira hora de Helder, segundo os próprios tucanos.

 

Interferência externa é algo real e que vem de fato assombrando os partidos no Pará, independente de cor. No PT tem deputado que já até trocou as camisas vermelhas, pelas azuis, tamanha a disposição de demonstrar fidelidade ao barbalhismo.

Quando o assunto é tamanho eleitoral municipal, os tucanos sempre tiveram seu protagonismo. Em 2012 e 2016 o PSDB elegeu 33 prefeituras no Pará. A principal característica tucana sempre foi o controle dos grandes centros urbanos.

Com o comando de Belém e Ananindeua, o PSDB governa atualmente 38% do eleitorado do estado. Contra os 24% do MDB, partido que elegeu o maior número de prefeitos em 2016, um total de 42, mas que ficou fora das 4 maiores cidades. Parece que a ressaca eleitoral tucana deverá colocar fim a esse protagonismo.

Nas eleições de 2020, nas 10 maiores cidades do Pará, o PSDB deverá ficar de fora da disputa em 9 delas. A exceção no ninho tucano é Abaetetuba, cidade onde a ex-prefeita tucana Franssinete Carvalho lidera com folga todas as pesquisas de intenção de votos. Se não houver “lawfare” por lá, poderá ser vitoriosa.

A ressaca tucana e os constantes incêndios no ninho devem levar o partido (pelo menos em 2020) a sua maior derrota eleitoral no estado

Em Abaetetuba, os únicos partidos que poderiam fazer frente a candidata tucana são o MDB, que encontra-se altamente desgastado na figura do atual prefeito Chita, e o PT que já governou o município, mas que em 2020 abriu mão de uma candidatura própria para se diluir em uma candidatura aliada que até o momento não alcançou nem mesmo o segundo dígito nas pesquisas.

Sem candidaturas em Belém e Ananindeua e sem candidatos competitivos nas maiores cidades, o PSDB poderá ser o principal derrotado das eleições municipais no Pará.

 

A ressaca tucana e os constantes incêndios no ninho devem levar o partido (pelo menos em 2020) a sua maior derrota eleitoral no estado. Isso terá consequências em 2022? Nunca é prudente comparar eleições que possuem formatos diferentes. Mas, sem dúvida, eleições municipais são sempre um termômetro para as próximas disputas.

O MDB paraense saiu de 27 prefeituras eleitas em 2012 para 42 prefeituras eleitas em 2016, pavimentando a vitória de Hélder que chegaria ao poder dois anos depois (2018).


* — Karol Cavalcante é socióloga e mestra em Ciência Politica pela UFPA (Universidade Federal do Pará).

LEIA também: Ex-prefeito de São Félix do Xingu lidera pesquisa e deve ganhar eleição com folga

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

3 Comentários em: Derrocada tucana no Pará à vista? Por Karol Cavalcante

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Pedro Jorge Albarado disse:

    Nunca vi um texto tão sem nexo e fora da realidade.
    Porque não falas da jogada de Helder para tirar Jatene do jogo?
    Porque se omite quanto à movimentação da Alepa, de deputados todos comprados por Helder com cargos no governo, para reprovar as contas de Jatene APROVADAS PELOS TÉCNICOS DO TCE?
    Porque Helder não tenta ganhar de Jatene nas urnas? Porque sabe que perde?
    Incrível esse movimento de valorização da política dos Barbalho. Helder agora é um santo. O grande e probo líder paraense, que “sabe fazer política” e rifar todos seus adversários.
    Um verdadeiro aparelhamento do Estado do Pará, vangloriando por muito, inclusive por “cientistas políticos”.

    1. Alfredo Moreno disse:

      Égua, preclaro, eras DAS no governo tucano? Esqueceste que em 2014, ficaste em teu emprego, em virtude de o teu “probo” Jatene ter levado o mandato, usando métodos não ortodoxos? Tens direito de seres parcial, mas tua visão.está tacanha demais. A análise da Carol mostra que ela não tem apenas rosto bonito; fala com propriedade!

  • Antonio Ribeiro disse:

    Caro Jeso, vejo que a socióloga tá preocupada com a derrota dos tucanos, e está esquecendo de olhar para o seu devastado PT, que também será derrotado e muito!!!