Paraense, marqueteiro de Pazuello diz que Wajngarten agiu contra a Rede Globo
Markinho Arnoud, paraense, e Pazuello: crítica ao ex-secretário de Comunicação Fábio Wajngarten. Foto: Twitter/Reprodução

O assessor informal e marqueteiro do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, o paraense Marcos Eraldo Arnoud Marques, conhecido como Markinho Show (ou Markinhos Show), escreveu nesta 6ª feira (23) que o ex-chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência da República Fabio Wajngarten deu ordens para que ele agisse contra a Rede Globo.

“Recebi uma ordem do ex-secretário de Comunicação Fabio Wajngarten para diminuir todos os valores de mídia da Rede Globo e proibindo o ministro da Saúde de falar com eles”, escreveu em sua conta no Twitter.

 

E acrescentou: “Claro que não fiz o que ele pediu. Não aceitaria uma ordem desqualificada e inútil. Fiz tudo ao contrário”.

As declarações foram feitas 1 dia depois de Wajngarten acusar a equipe comandada pelo ex-ministro de “incompetência” e “ineficiência” na aquisição de vacinas contra o coronavírus em entrevista à revista Veja.

O ex-secretário da Secom criticou a condução do Ministério da Saúde no combate à covid e poupou qualquer atribuição de culpa ao ex-chefe, o presidente Jair Bolsonaro. Para ele, a preocupação do Executivo sempre foi direcionada a todas as faces da crise, em especial naquela que se refere aos mais pobres.

Eis trecho da entrevista de Wajngarten à revista:

Repórter: Volto a insistir: se o presidente autorizou, seus principais auxiliares concordaram e o acordo não aconteceu, o que explica isso?

“Incompetência e ineficiência. Quando você tem um laboratório norte-americano com cinco escritórios de advocacia apoiando uma negociação que envolve cifras milionárias e do outro lado um time pequeno, tímido, sem experiência, é isso que acontece.”

Repórter: O senhor está se referindo ao ex-ministro Eduardo Pazuello?

“Estou me referindo à equipe que gerenciava o Ministério da Saúde nesse período.”

— LEIA também: “Pazuello se ferrou e nos ferrou junto”, diz Edson Pujol, ex-comandante do Exército

Wajngarten foi demitido em março, depois de especulações de atritos com a equipe gerenciada por Pazuello.

“Pessoas ligadas ao então ministro da Saúde começaram a plantar notícias de que eu estaria tentando ajudar a Pfizer por interesses pessoais. Foi a gota d’água para eu decidir sair do governo.”

Segundo o ex-secretário, os erros cometidos por integrantes do governo podem prejudicar uma possível tentativa de reeleição de Bolsonaro: “Se as pessoas creditarem ao presidente a responsabilidade pelas mortes durante a pandemia, isso pode impactar”.

Com informações do portal Poder360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *