Laboratório molecular da Ufopa é capaz de detectar a nova variante da covid-19 de Manaus
O Labimol agora vai funcionar dentro da Ufopa, com capacidade inicial de 100 testes/dia de covid-19. Foto: Divulgação/Agência Pará

Com apoio financeiro do Governo do Pará e da Alcoa, reabre nesta quarta-feira (24) o laboratório de biologia molecular (Labimol), da Ufopa (Universidade Federal do Oeste do Pará), em Santarém.

Terá capacidade inicial de realizar até 100 testes/dia para detectar pacientes infectados por covid-19, inclusive a nova variante surgida no Amazonas, a P.1. O resultado sai em no máximo 48h.

 

No ano passado, o Labimol funcionou por 6 meses (julho a dezembro) no HRBA (Hospital Regional do Baixo Amazonas), quando chegou a realizar 8 mil testes. Mas a fonte de recursos secou.

Agora irá funcionar dentro da Ufopa, com seus serviços em benefício de todos os municípios do oeste do Pará, com população de quase 1 milhão de habitantes.

O laboratório, sob a coordenação do professor Marcos Prado, também será utilizado no trabalho de vigilância genômica, que consiste em monitorar os vírus em circulação e identificar as variantes (cepas) na região, por meio do sequenciamento genético de amostras.

Além, é claro, de ser usado em ensino e pesquisas acadêmicas, como por exemplo, verificar se a covid-19 está circulando nas praias do rio Tapajós.

Laboratório da Ufopa para covid-19 deve realizar 116 testes por dia
Marcos Prado, coordenador do Labimol. Foto: Ufopa/Arquivo BJ

📹 Assine o canal do Blog do Jeso no Youtube, e assista a dezenas e dezenas de vídeos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *