Anda irrespirável o ar para servidoras públicas lotadas na penitenciária agrícola de Cucurunã (Sílvio Hall de Moura), em Santarém.

Nos últimos 2 meses, uma enfermeira e 3 assistentes sociais deixaram a casa penal por conta do assédio moral que sofreram no trabalho.

Uma das vítimas, a mais revoltada com o constrangimento que lhe fora dispensado pela direção do presídio, denunciou o caso ao MP (Ministério Público) do Pará .

A Susipe, pelo andar das investigações preliminares, será enquadrada como ré numa ação à vista.

Leia também:
Não quer calar.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

3 Comentários em: Assédio moral no presídio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Assediados disse:

    Conheça e faça parte do blog “Assediados”.
    http://www.assediados.com
    Um espaço onde vítimas de assédio ou dano moral podem relatar suas histórias, compartilhar experiências, e buscar caminhos para tornar o ambiente de trabalho um espaço seguro, onde seres humanos sejam tratados com o respeito e a dignidade que merecem.
    “Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre”

  • Anônimo disse:

    O coronel Valter anda com a bíblia debaixo do braço, somente para descanso de copo, porque suas atitudes estão longe do respeito ao próximo. Ele envergonha os evangélicos!

  • Parente disse:

    Isso porque o diretor é evangélico.
    Imagine.
    Deus do céu!