Publicado em por em Arte

Rarefeito O amor que você matou em meu peito Ressuscitou de outro jeito Agora é amor-perfeito Mais-que-perfeito Do que o amor mais imperfeito que possas imaginar… É amor sujeito À chuvas e trovoadas E às pancadas do clima que você criou… O amor que trago agora em meu peito Tem um raro efeito De ser […]

Rarefeito

O amor que você matou em meu peito
Ressuscitou de outro jeito
Agora é amor-perfeito
Mais-que-perfeito
Do que o amor mais imperfeito
que possas imaginar…

É amor sujeito
À chuvas e trovoadas
E às pancadas do clima que você criou…

O amor que trago agora em meu peito
Tem um raro efeito
De ser passageiro, nuvem tênue e transparente

É um amor diferente
Feito de sonhos e desejos
Alimentado de beijos
E não se esgota em si mesmo
E não morre de qualquer jeito

É um amor com todos os defeitos
Que um amor mais-que-perfeito
Tende a transpirar…

———————————————-

De Jota Ninos, jornalista e poeta santareno.


Publicado por:

Uma comentário para

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.