Publicado em por em Arte

Nome Tu, em tudo presença, vibrar de asa, eu, que nem nome tenho, jamais nua de água, tu, felicidade do corpo embasado em brasa, eu, sequer lembrança, mero eco na sala,— ARTIGOS RELACIONADOSFilho de Eriberto Santos disponibiliza poesias recitadas pelo radialista no SpotifyProjeto selecionado pela Aldir Blanc vai levar poesia para ruas em múltiplas linguagensHá […]

Nome

Tu, em tudo presença,
vibrar de asa,

eu, que nem nome tenho,
jamais nua de água,

tu, felicidade do corpo
embasado em brasa,

eu, sequer lembrança,
mero eco na sala,

tu, veneno curare
— e eu é que me chamo naja?

————————————————

De Olga Savary, poeta paraense nascida em Belém.


Publicado por:

Uma comentário para

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.