Encantaria

Encanto!
São teus olhos assim
Sem dó de mim
Admirando-me
Sem rodeios
Mesmo distante, tão perto.
Sem curvas e direção certa.
Puro mistério.

Feitiço!

Despi-me
Permita-se encantar
A poesia permite
Jogue-se ao luxo do poema
Cetins de palavras
Traçadas à chegada hora do beijo.

Encanto!

A partida incerta do desejo certo,
dessa encantaria.
O encanto do caminho florido.
Entre os passos silábicos
Flores jogadas
Derramando cores
Apagando dores de paixão antiga.
Pelo feitiço do olhar.

– – – – – – – – – – – – – – – – –

Poetas amazônicos. Sem dó de mim, Neucivaldo MoreiraDe Neucivaldo Moreira, poeta amazônico nascido em Santarém.

Leia também:
Tempo de poema, Neucivaldo Moreira.
Poética, de João de Jesus Paes Loureiro.
Soneto, de Raul de Leoni.
Amostra sem valor, de Antonio Gedeão.
Há uma Gota de Sangue no Cartão Postal, de Cacaso.
Canção para uma valsa lenta, de Mário Quintana.
Virgens Mortas, de Olavo Bilac.

  • 3
    Shares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *