PSDB deve definir o rumo da CPI da Pandemia no Senado, avalia jornal
Senador do PSDB do Ceará, Tasso Jereissati: oposição ao governo Bolsonaro. Foto: Reprodução/Senado

Depois de fracassar na primeira tentativa de impedir a CPI da Covid-19, convencendo senadores a retirar assinaturas do requerimento por sua criação, o governo Bolsonaro agora tenta interferir na escolha dos integrantes, garantindo que a maioria seja a seu favor. A informação é de Malu Gaspar, de O Globo.

Nesse xadrez, segundo o jornal, o bloco formado pelo PSDB e pelo Podemos é hoje o fiel da balança.

 

Pelas contas dos líderes partidários, o bloco indicará dois membros titulares da CPI. Como a oposição já tem garantidos hoje cinco dos 11 membros titulares (um do PT, um do bloco Rede-Cidadania e três do MDB) e o governo, quatro (um do PP, um do PL, um do PSD e um do DEM), os dois senadores do bloco (PSDB-Podemos) farão a diferença. A depender de quem for escolhido, a CPI poderá ser mais governista ou mais anti-governo. 

Tanto no Podemos como no PSDB há senadores mais críticos ao governo e outros mais alinhados ao bolsonarismo. Como o Podemos é uma incógnita para os articuladores de ambos os lados, a pressão no final de semana se concentrou sobre os tucanos.

O time do PSDB

Três dos quatro tucanos que assinaram o pedido de CPI são oposicionistas — José Serra e Mara Gabrilli, de São Paulo, e Tasso Jereissati, do Ceará. Por isso, o bloco de oposição pediu ao governador de São Paulo, João Doria, que entrasse nas articulações para tentar garantir que Jereissati integrasse a CPI. 

Doria falou com Jereissati na sexta-feira. Mas o senador, que tem 72 anos e faz parte do grupo de risco para a Covid-19, está isolado em Fortaleza e resiste a participar das sessões presenciais que podem vir a ser convocadas. 

Se ele de fato não for para a comissão, Mara Gabrilli é a opção mais provável. A decisão será tomada nesta segunda-feira. 

A julgar pelas negociações do final de semana, o jogo na CPI será pesado. Não só pelas conversas entre o presidente Jair Bolsonaro e senadores, como Jorge Kajuru (Cidadania-GO), defendendo a ampliação do escopo das investigações para governadores e prefeitos e querendo revidar com pedidos de impeachment de ministros do Supremo. Mas também porque ela deverá ser composta majoritariamente por veteranos. 

— LEIA também: Contador e despachante são alvos de operação da Polícia Federal em Santarém

Do lado do governo, é o próprio Ciro Nogueira, senador pelo Piauí e presidente do PP, quem vai integrar a CPI. A candidata mais óbvia era Kátia Abreu (PP-TO), que chegou a reivindicar o posto. Mas ela foi preterida por ser considerada “muito independente”  e “incontrolável”, nas palavras de lideranças do partido. A opção por Nogueira não só quer dizer uma atuação 100% alinhada com o governo, mas também “profissional”.  

Isso porque o MDB, que deverá ter direito a três membros, indicou que pretende apontar três senadores experientes e que têm feito oposição a Bolsonaro: Renan Calheiros, de Alagoas, Jader Barbalho, do Pará, e Eduardo Braga, do Amazonas. Calheiros é, hoje, um forte candidato a presidir a CPI. 

Calheiros e Barbalho são também pais de governadores e devem se opor à ampliação do escopo da CPI. O filho de Jader, Helder Barbalho, do Pará, foi inclusive alvo de uma operação da Polícia Federal em setembro passado, numa apuração de desvio de recursos destinados ao combate à Covid.   

No campo da oposição, todos os movimentos têm sido calculados para evitar tentativas de melar a CPI. Para o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), um dos autores do pedido que deu origem à liminar de Barroso, a própria natureza da CPI restringe a margem de manobra do governo. Isso porque, diferente das CPIs mistas, como a das fake news, em que também há deputados entre seus membros, ela será composta apenas por senadores. 

“É um grupo mais restrito, diferente da CPI das fake news, que virou um zoológico”, comenta Vieira. “Ali havia uma fauna variada, bolsonaristas e oposicionistas, era mais fácil tumultuar os trabalhos. A forma de atuação parlamentar do Senado é diferente. A grande maioria tem compreensão dos desdobramentos que a CPI terá na política e na nossa sociedade.”

— LEIA também: Ufopa repudia participação do reitor no Triatlo da Covid. “Péssimo exemplo”; leia a nota

Para tentar anular a acusação de que a CPI visa perseguir Bolsonaro, que vinha tendo a adesão de parte dos senadores, Vieira (Cidadania-SE) declarou que atos conexos ao objeto central da investigação — erros cometidos pelo governo federal e as responsabilidades pelo colapso no Amazonas — podem ser alvo da CPI. “Mas tem que ter relação com o objeto da comissão, não pode ser algo aleatório”.

Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder da oposição e autor do requerimento para a criação da CPI, avalia que será difícil para o presidente “bagunçar a investigação”, porque o caso do colapso do Amazonas deverá ser apurado primeiro.

“Se o governo quer convocar governadores, então comecemos pelo do Amazonas. Ou ele confessa a sua responsabilidade pela falta de oxigênio em Manaus ou ele admite a culpa do ex-ministro Eduardo Pazuello. Vamos ouvi-lo”.

Com informações de O Globo


📹 Assine o canal do Blog do Jeso no Youtube, e assista a dezenas e dezenas de vídeos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *