Contratos de R$ 920 mil de advogados com Prefeitura de Alenquer cai na radar do MP
Marjean Monte: um dos advogados outra vez na mira do MPPA. Foto montagem BJ

Os contratos fechados entre o prefeito de Alenquer (PA), Josino Filho (PP), e 2 escritórios de advocacia caíram no radar do MPPA (Ministério Público do Pará), após denúncia feita pelo Blog do Jeso no início deste mês.

Marjean Monte Sociedade Individual de Advocacia e Brasil de Castro Sociedade de Advogados S/S, contratados mediante dispensa de licitação, receberão até o final deste ano R$ 920 mil de honorários – R$ 40 mil/mês cada.

 

Nesta sexta-feira (21), foi instaurado procedimento de apuração do caso, a cargo do promotor de justiça Diego Libardi Rodrigues.

O contrato em Alenquer chama atenção, principalmente, pelo valores envolvidos. Bancas de advocacia e advogados com muito mais expertise nesse tipo de serviço ganham em média até 20 mil reais/mês.

A Prefeitura de Monte Alegre, por exemplo, envolvida em processo judicial similar, paga entre R$ 12 a R$ 20 mil para 2 escritórios com sede em Belém.

Contumaz

Um dos advogados contratados em Alenquer, Marjean Monte, responde processo na Justiça, movido pelo próprio MPPA, por esse mesmo tipo de prática — adotada em Óbidos pelo prefeito Chico Alfaia (PL).

Alfaia e Marjean chegaram a ter seus bens bloqueados pelo TJPA (Tribunal de Justiça do Pará) em mais de R$ 300 mil, para garantir o ressarcimento por danos causados ao erário público.

O promotor Diego Rodrigues tem prazo de 30 dias, para colher informações preliminares sobre o caso. Podendo, ao final, arquivá-lo, instaurar inquérito civil ou procedimento preparatório, que poderá culminar com ajuizamento de ação de improbidade administrativa contra os acusados, por danos ao erário público.

Contratos no sistema do MP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *