Câmara de Belterra volta a eleger uma mulher para presidência da Casa
Malu, nova presidente da Câmara de Belterra, ao lado do vice-prefeito e prefeito eleitos e empossados também nesta sexta-feira. Foto: Gérson Pedroso

Vereadora recordista de mandatos no município, Maria de Lourdes de Souza Lima, 46 anos, a Malu (DEM), foi eleita na manhã desta sexta-feira (1º) presidente da Câmara de Vereadores de Belterra (PA). Ela é a terceira mulher a ocupar o cargo.

Malu foi reeleita vereadora pela sétima vez neste ano com 397 votos – a terceira mais votada do município. Só ficou atrás de Jonas Palheta (559 votos) e Serjão (532) – ambos também do DEM.

 

A chapa 1 encabeçada por Malu elegeu ainda Serjão (primeiro secretário), que deixou a presidência da Casa, e Relison Silva (PSB), segundo secretário. Eles venceram a chapa 2, liderada por Anderson Junho (MDB), por 8 votos a 3.

Duas outras mulheres já comandaram a Câmara de Belterra: Laura Mota (MDB) e Nilda Paixão (PT).

Mais votado na disputa para prefeito, Dr. Macêdo, que ocupa o cargo, também foi empossado nesta manhã. Assim como o vice-prefeito, Ulisses Medeiros (PSC).

A nova composição partidária da Câmara de Belterra

LEIA também: Prefeito eleito que vai extinguir 50% das secretarias anuncia nomes do novo secretariado


📹 Assine o canal do Blog do Jeso no Youtube, e assista a dezenas e dezenas de vídeos.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Câmara de Belterra volta a eleger mulher à presidência da Casa; prefeito toma posse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Auri de Sousa disse:

    Enquanto não tivermos uma Reforma Política, essas vergonhas continuarão a existir: política não é profissão, é prestação de serviços a população. Por isso, é preciso por fim a reeleição indefinida no legislativo municipal, a função de vereador não e profissão, como habituamos a ver nas câmaras municipais, tornou-se imperativo por fim a essa situação vergonhosa onde observamos que o interesse por um mandato de vereador, tornou-se um projeto pessoal ao invés de coletivo.