TJ do Pará nega pedido de acumulação de cargos públicos para servidor em Itaituba, Leonardo de Noronha Tavares, vice-presidente do TJ Pará

Leonardo Tavares, desembargador do TJ do Pará

Em sessão hoje, 4, o TJ (Tribunal de Justiça) do Pará os desembargadores negaram pedido em mandado de segurança ajuizado por Sérgio Cirevan Mafra de Sousa, que requeria o reconhecimento legal para acumular cargos públicos municipal e estadual, respectivamente de fiscal de serviços urbanos do município de Itaituba e de professor da Seduc (Secretaria de Estado de Educação).

A sessão plenária foi presidida pelo desembargador Leonardo de Noronha Tavares, vice-presidente da Corte que está no exercício da Presidência do TJ.

Conforme o processo, o servidor alega que integra o quadro funcional do município de Itaituba desde 2004, tendo ingressado através de concurso público. Em 2007, fora aprovado e nomeado para o cargo de professor, em nível estadual.

Alegou que fora surpreendido com o ofício da Seduc por conta de indevida acumulação remunerada de cargos públicos, determinando que procedesse a escolha de um dos cargos para continuar no exercício da função.

De acordo com a defesa do servidor, Sérgio teria direito líquido e certo de acumular um cargo técnico e um cargo de professor, havendo compatibilidade de horários para o exercício das funções.

No entanto, conforme o voto da desembargadora relatora, Célia Regina de Lima Pinheiro, o cargo de fiscal de serviços urbanos não tem caráter técnico, não sendo possível a acumulação dos cargos públicos.

ATO ADMINISTRATIVO

Cargo técnico, conforme ressaltou a relatora com base em doutrinas e jurisprudências, “são aqueles que têm como requisito a exigência de diploma de nível superior para ingresso na carreira, ou de curso técnico profissionalizante, em nível médio, utilizando-se como critérios os requisitos para ingresso no cargo e não as situações concretas nas quais o conhecimento técnico se mostre cotidianamente necessário”.

No referido caso, o cargo de fiscal de serviços urbanos exige tão somente a formação no ensino médio, sem qualquer tecnicidade, podendo ser ocupado por qualquer pessoa.

O ato administrativo da Seduc, para que o servidor procedesse a escolha de um dos cargos públicos, se baseou em julgamento do Tribunal de Contas do Estado que, a pedido da Seduc, analisou o registro de nomeação do servidor, rejeitando tal registro.

O mandado de segurança foi movido por Sérgio contra a Seduc e o TCE.

Com informações do TJ do Pará

Leia também:
Ministério Público abre inquérito para apurar contração de advogada em Óbidos

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: TJ do Pará nega pedido de acumulação de cargos públicos para servidor em Itaituba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Joana disse:

    Dizem por aí que há no fórum de Santarém servidora do TJPA que acumula dois cargos estaduais inacumuláveis. Trabalha como assistente social no Fórum e no Hemopa.
    O acúmulo feriria a proibição constitucional, artigo 17, inciso XVI, da CF/1988, pois não ha veria compatibilidade de horários, pois ose horários são regidos pela regime jurídico únicos dos servidores estaduais, bem como embora não se acumularia cargos de professor e um técnico de nível superior, ou um de saúde com outro de profissão regulamentada.
    Vale lembrar que o hemopa funciona das 07h às 13h e o Fórum das 08h às 14h.
    Como a servidora pode se fazer presente nos dos lugares aos mesmo tempo?