A FIT (Faculdades Integradas do Tapajós)  e a MRN (Mineração Rio do Norte) firmaram parceria para a produção da segunda versão do projeto Produção de Réplicas e Catálogos dos Prédios Históricos de Santarém.

O martelo foi batido ontem (21).

O projeto tem por objetivo promover o reconhecimento e a valorização do trabalho de artesãos locais com a criação de réplicas, exposição dos resultados das oficinas de produção das miniaturas, bem como, a fixação de placas indicativas em prédios e logradouros de valor histórico em Santarém.

O lançamento da 2ª etapa do projeto será na sexta-feira (26), no auditório central da FIT.

Ao final, haverá a publicação de um catálogo com 40 fotografias de referências na arquitetura histórica do município e da revista “Patrimônio Histórico e Arquitetônico de Santarém”.

Na foto, o momento da assinatura do convênio, na qual aparecem Hélvio Arruda, nº 1 da FIT; professora Terezinha Amorim, coordenadora do Núcleo Cultural da FIT;  José Haroldo Chaves Paula, gerente do Departamento de Relações Comunitárias da MRN, o diretor Financeiro da FIT, William Pereira Coelho, e a coordenadora do curso de Ciências Biológicas, Gina Cynthia do Valle.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

4 Comentários em: FIT e MRN renovam parceria do patrimônio histórico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Lila Bemerguy disse:

    Jeso,

    Não quero ser do contra. Louvo qualquer iniciativa que tente salvar o que resta do patrimônio histórico da cidade. Mas desde o início do projeto, a mim incomoda o não investimento de recursos da empresa patrocinadora na restauração dos prédios. O prédio cai, a placa fica. O prédio cai, a réplica fica. Quando li a manchete “segunda etapa do projeto”, esperava algo nesse sentido.Vamos fazer placas, vamos fazer réplicas. Mas vamos também tentar salvar (um que fosse, só pra dizer que fez) o patrimônio real, aquele que está lá, caindo e se deterioriorando. Alguns projetos me parecem que visam mais a propaganda de quem os patrocina, do que fazer algo perene, últil de verdade. Mas vamos aguardar. De repente, isso fará parte da “terceira etapa”, e eu me retratarei.

  • Ádrea Lopes disse:

    Desculpa, é só um acerto.. o nome da professora é Terezinha Amorim (nucleo cultural).
    Obrigada.

  • Cristina Sousa disse:

    Oi, Jeso, acredito que há um equívoco com relação ao nome da Coordenadora do Núcleo Cultural da FIT. Pelo que sei, quem coordena o referido Núcleo é a Profª Terezinha Amorim. Podes confirmar isso?
    Um abraço,
    Profª Cristina Sousa

    1. Jeso Carneiro disse:

      É isso mesmo, Cristina. É a professora Terezinha qeum coordena tal núcleo. Ocorreu um equívoco, já devidamente corrigido.